Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.272,07
    +90,74 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Bacen quer combater contas laranjas para tornar Pix mais seguro

·1 minuto de leitura

Em palestra na Associação Comercial de São Paulo nesta segunda-feira (4), Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil (Bacen), disse que a instituição tem se esforçado para combater contas bancárias abertas por criminosos em nome de terceiros — as contas laranjas. O objetivo é aumentar a segurança do sistema de pagamento instantâneo (Pix).

Segundo o executivo, a entidade tem incentivado a identificação desse tipo de conta e seu rápido cancelamento. Campos Neto diz que, em caso de fraude ou outros crimes, como sequestro, os criminosos precisam de uma conta bancária para movimentar recursos — em geral, elas não têm os dados pessoais do criminoso.

Imagem: Reprodução/Agência Brasil/Marcelo Casal Jr.
Imagem: Reprodução/Agência Brasil/Marcelo Casal Jr.

Por isso, é importante identificá-las e fechá-las. “A gente precisa atacar esse movimento de conta laranja. Precisa que os bancos se sintam muito responsáveis quando alguma conta laranja no sistema deles é usada para algum ato ilícito”, aponta.

Para Campos Neto, se os golpistas não tiverem a possibilidade de receber o dinheiro, eles devem desistir da prática dessas ilegalidades pelo Pix. “Se não há como pegar o dinheiro em espécie em nenhum momento, há uma diminuição da criminalidade relacionada a isso.”

Segurança do Pix

Apesar das fraudes contra a ferramenta, Campos Neto defende a segurança do sistema. “A criminalidade é um tema de segurança pública. Qualquer instrumento de pagamento que você tiver, quando a criminalidade for alta, vai ser em parte responsabilizado pela criminalidade, quando ele é só o veículo”, ressalta.

Ele destaca, ainda, que a flexibilidade do sistema facilita o combate a fraudes e outros crimes. “A gente entende que o Pix é mais maleável porque a gente pode mudar e adaptar mais rapidamente”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos