Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,45
    +0,31 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.886,60
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    23.258,82
    +450,39 (+1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,56
    +8,61 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.667,18
    -18,29 (-0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.751,50
    -25,25 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5767
    -0,0004 (-0,01%)
     

B. santosdoroi | Conheça o 1º sapo do período Cretáceo encontrado em SP

Paleontólogos descobriram o primeiro sapo brasileiro do Cretáceo, que viveu com os dinossauros e muitas outras criaturas pré-históricas em uma Minas Gerais irreconhecível, há cerca de 70 milhões de anos. Já extinta, a espécie foi nomeada Baurubatrachus santosdoroi, em alusão aos cientistas que a descobriram, Edvaldo Fabiano dos Santos e Laércio Fernando Doro. O gênero Baurubatrachus já é conhecido, tendo sido nomeado há alguns anos — ele é considerado "bizarro" pelos cientistas.

Todo o gênero do animal, composto de sapos pré-históricos também já extintos, é consideravelmente pequeno, na verdade, contendo apenas o holotipo Baurubatrachus pricei, que havia sido descoberto na Formação Serra da Galga, próximo a Peirópolis, em Minas Gerais. Da subordem Neobatrachia, estes anfíbios viviam na idade Maastrichtiana do Brasil, no final do Período Cretáceo, entre 72 e 66 milhões de anos atrás.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Sapos pré-históricos brasileiros

Alguns milhões de anos separam o B. santosdoroi do B. pricei, com o novo sapo descoberto sendo mais antigo do que seu companheiro de gênero. Ele conviveu com peixes, crocodilos, tartarugas, insetos, caracóis, mamíferos, dinossauros e outras espécies de sapo em sua época. Seus restos fossilizados foram encontrados na Formação Adamantina, um afloramento próximo à cidade de Catanduva, no estado de São Paulo, e estudado por cientistas brasileiros e argentinos.

Foram encontrados, especificamente, dois fósseis de sapo, que permitiram aos cientistas descrever características únicas, tanto cranianas quanto pós-cranianas, que colocaram a espécie dentro do gênero Baurubatrachus. Isso ajuda a enriquecer o conhecimento sobre os ossos de todo o gênero, como o forâmen subtimpânico e outros aspectos agora atribuídos aos antigos sapos brasileiros. Um estudo sobre a espécie foi publicado na revista científica Ameghiniana.

Assim, o conhecimento paleontológico e as interações paleoecológicas entre as espécies ficam cada vez mais ricos, de acordo com os cientistas, paleontólogos da Universidade Maimónides. Segundo eles, o Baurubatrachus santosdoroi é a primeira espécie de sapo do Cretáceo formalmente nomeada no estado de São Paulo, um recordo paleontológico bem interessante. Com isso, estudos dos neobatráquios ficarão mais fáceis, já que o grupo de sapos é bem pouco conhecido pela ciência.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: