Mercado abrirá em 4 h 27 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,92
    +1,35 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.829,70
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    20.880,01
    -497,65 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,36
    -6,43 (-1,39%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.333,33
    +75,01 (+1,03%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.095,25
    +54,75 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5345
    -0,0096 (-0,17%)
     

Bólido brilhou no céu de Santa Catarina nesta terça-feira (31)

Um bólido brilhou no céu do estado de Santa Catarina durante o início da madrugada desta terça-feira (31). A passagem da rocha espacial foi registrada pela câmera leste da estação de monitoramento de Monte Castelo (SC), integrante da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (BRAMON). Apesar de ter ocorrido na mesma noite da chuva de meteoros Tau-Hercúlideas, o bólido provavelmente não teve relação com o evento.

A passagem do bólido durou aproximadamente 3 segundos, e as estimativas mostram que ocorreu no oceano Atlântico, entre os municípios catarinenses de São Francisco do Sul e Itapoá. O vídeo do objeto foi capturado por volta das 00h34.

Abaixo, você confere o vídeo da passagem do bólido:

O nome “meteoro” descreve os fenômenos luminosos que ocorrem quando pedacinhos de rochas espaciais atravessam a atmosfera terrestre a altíssimas velocidades, comprimindo e, consequentemente, aquecendo os gases à frente. Isso faz com que uma bolha de plasma brilhante seja formada ao redor do fragmento rochoso.

Às vezes, pode acontecer de o meteoro ser tão brilhante que é chamado de "bólido". Normalmente, eles explodem ao fim de sua trajetória, quando falta pouco para chegar ao solo, e emitem fortes estrondos — em janeiro, um bólido explodiu nos Estados Unidos, liberando energia equivalente a quase 30 toneladas de TNT. É possível que os bólidos deixem fragmentos na superfície. Quando isso acontece, estes pedaços são chamados de meteoritos.

Cerca de 5 mil bólidos ocorrem anualmente, mas como a maioria deles aparece em áreas de baixa densidade populacional (como oceanos) ou surgem durante o dia, pouquíssimos são observados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos