Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    34.929,28
    +529,31 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    692,27
    -8,34 (-1,19%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4052
    -0,0934 (-1,44%)
     

Bárbara Paz retrata em 'Babenco' o artista e o homem na intimidade

CÁSSIO STARLING CARLOS
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 12/03/2020 - a atriz Barbara Paz. (Foto: Greg Salibian/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 12/03/2020 - a atriz Barbara Paz. (Foto: Greg Salibian/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Restringir "Babenco - Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou" à categoria de documentário informativo e biográfico é desperdiçar o teor afetivo, a substância que torna tão peculiar o trabalho assinado por Bárbara Paz.

Em mais de um sentido, o filme prolonga, e inverte, a cena final de "Meu Amigo Hindu", de 2015, o último filme dirigido pelo cineasta Hector Babenco. Sob a chuva e reinterpretando livremente os movimentos de Gene Kelly em "Cantando na Chuva", Bárbara Paz alcançava a dimensão de ícone derradeiro de uma obra plena desse tipo de imagem fixada na memória.

Enquanto ali a atriz e diretora ocupava o lugar híbrido de mulher amada e musa, era o foco do olhar do artista e companheiro, no documentário essa posição é invertida.

Aqui, o realizador teima em dirigir, insiste em instruir tecnicamente a realizadora pouco experiente, orientar o olhar dela. Mas a inversão é decisiva para arrancar a narrativa desse ato final das garras onipotentes do diretor. Dócil e fragilizado pela doença, Hector Babenco se expõe.

Os materiais de arquivo cumprem a função informativa, mas o essencial aqui é o impulso da realizadora de mostrar o homem na intimidade tanto quanto o artista. Sua vontade é a de contar que um não teria existido sem o outro, que Babenco, em última medida, é o personagem que Hector nunca desistiu de reescrever.

A linearidade biográfica, portanto, é abandonada sem prejudicar a clareza do resultado. Assim como a filmografia se compõe de temáticas e escolhas estéticas que ecoam, prolongam-se e retornam sem se repetir, o personagem Babenco que Paz constrói é feito de coerências e paradoxos, de desdobramentos e de rupturas.

Nessa trajetória, o câncer é um elemento narrativo crucial, uma ameaça permanente que não paralisou o indivíduo. Ao contrário, o forçou a apressar o passo e a aprofundar a urgência do que ele se sentia impelido a nos mostrar com seu olhar de brasileiro estrangeiro.

A ideia de filmar a mortalidade em ação, o que poderia resultar mórbido ou sensacionalista, é amenizada pela dimensão puramente afetiva do projeto. Como em "Um Filme para Nick", de 1980, em que Wim Wenders e Nicholas Ray ultrapassaram o testamento para pensar o que pode o cinema, "Babenco - Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou" parte da finitude para falar da continuidade, daquilo que se prolonga e permanece.

BABENCO – ALGUÉM TEM QUE OUVIR O CORAÇÃO E DIZER: PAROU

Quando: Em cartaz

Produção: Brasil, 2020

Direção: Bárbara Paz

Avaliação: ótimo