Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,03
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.876,20
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    39.016,97
    +3.461,18 (+9,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,71
    +38,89 (+4,13%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.018,00
    +23,75 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1932
    +0,0006 (+0,01%)
     

Azul quer comprar operação da Latam Airlines no Brasil, diz fonte

·1 minuto de leitura

Por Marcelo Rochabrun

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea Azul abordou a chilena Latam Airlines com o objetivo de comprar sua operação brasileira, disse à Reuters uma fonte a par da situação.

A Latam entrou com pedido de recuperação judicial nos EUA há um ano e, embora tenha garantido nova liquidez nesse processo, ainda não apresentou um plano formal de reestruturação.

A Azul, controlada pelo fundador da JetBlue Airways, David Neeleman, disse na quarta-feira que estava pronta para liderar uma onda de consolidação no setor aéreo brasileiro, que foi devastado pela pandemia.

Nesta quarta-feira, o jornal Valor Econômico também informou que a Azul está tentando atrair a Latam e conversando com seus locadores de aeronaves.

Uma porta-voz da Latam disse que a companhia aérea não recebeu nenhuma oferta da Azul, que as negociações não estavam em andamento e que a Latam não tinha intenção de vender nenhuma de suas partes.

Além de rotas internacionais, a Latam possui operações domésticas, não apenas no Brasil, mas também no Chile, Peru, Equador e Colômbia.

Durante a pandemia, a Azul e a Latam desenvolveram um programa de codeshare para evitar competir no Brasil à medida que o mercado encolhia. Mas esse programa terminou repentinamente nesta semana, o que a Azul disse ser uma reação aos seus planos de consolidação.

Analistas da indústria especularam ao longo de 2020 que a Azul poderia tentar comprar a Latam no Brasil. As duas companhias aéreas dividem o mercado brasileiro com a Gol.