Mercado fechará em 5 h 17 min
  • BOVESPA

    113.817,74
    +109,98 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.433,12
    -300,92 (-0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    +1,80 (+2,04%)
     
  • OURO

    1.777,50
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.434,92
    +33,16 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,46
    +0,73 (+0,13%)
     
  • S&P500

    4.276,99
    +2,95 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.930,04
    -50,28 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.534,05
    +18,30 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.457,75
    -35,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2546
    -0,0046 (-0,09%)
     

Azeite extravirgem preserva nutrientes dos alimentos, segundo estudo

O azeite extravirgem pode preservar os nutrientes dos alimentos durante o cozimento. A informação vem de um estudo conduzido por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) em parceria com a Universidade de Barcelona, na Espanha. Segundo o estudo, o segredo está nas gorduras monoinsaturadas, que possuem potencial antioxidante.

As descobertas foram publicadas na revista científica Trends in Food Science & Technology. No artigo, os autores mencionam que por causa dessa ação antioxidante, a degradação do azeite é mais lenta em comparação com os demais óleos. E isso protege tanto os nutrientes do próprio azeite como os dos alimentos.

Os pesquisadores apontam que o azeite extravirgem ajuda a evitar que os fitoquímicos sejam oxidados. Isso deixa os alimentos cozidos mais saudáveis, uma vez que preserva componentes importantes, que poderiam desaparecer.

"Quando comparamos um refogado de tomate com e sem azeite, por exemplo, a quantidade de licopeno pode ser reduzida sem a presença de azeite no processo de cocção. Entretanto, ao usar o azeite extravirgem, conseguimos preservar esse composto que está associado à prevenção do câncer de próstata", apontam os pesquisadores.

Azeite extravirgem preserva nutrientes dos alimentos, segundo estudo conduzido pela Universidade de São Paulo (Imagem: Roberta sorge/Unsplash)
Azeite extravirgem preserva nutrientes dos alimentos, segundo estudo conduzido pela Universidade de São Paulo (Imagem: Roberta sorge/Unsplash)

O artigo ressalta, porém, que a degradação dos compostos bioativos varia de acordo com o método de cocção utilizado. “Vimos que a técnica que promove a maior degradação é a de preparo em forno, por envolver temperaturas muito altas e um tempo de cocção muito longo”, explicam os autores.

Vale perceber que os níveis de degradação variam conforme o composto bioativo. No caso de compostos insolúveis em água, como carotenoides e vitaminas lipossolúveis, ferver e cozinhar a vapor são as técnicas que melhor preservam esses compostos, conforme explicam os responsáveis pelo estudo.

Os autores concluem que, se o intuito é aproveitar ao máximo os nutrientes dos alimentos vegetais e do azeite, é preferível utilizar técnicas com menor tempo de cocção e temperaturas mais amenas. Os benefícios do azeite extravirgem acontecem porque o produto não passa pelos mesmos processos de industrialização que o óleo de girassol, soja e milho.

“O processamento do azeite extravirgem não envolve aquecimento, somente processos físicos como prensagem a frio, centrifugação e filtração, que preservam esses compostos", finaliza o estudo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos