Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,72
    +0,11 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.846,80
    -4,10 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    32.200,61
    -377,42 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,36
    +2,04 (+0,31%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.687,84
    +141,66 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    13.552,25
    +66,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5154
    +0,0046 (+0,07%)
     

Avô é suspeito de tortura após neta de 4 anos ser internada em estado gravíssimo na UTI

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
sadness of child
sadness of child

Uma criança de 4 anos foi internada em estado gravíssimo na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Estadual de Francisco Morato, no domingo (22), após dar entrada com partes do corpo mutiladas, queimadas e ossos quebrados.

O avô da criança e sua mulher são investigados pela Polícia Civil de São Paulo pelos crimes de abandono de incapaz e suspeitos de praticarem tortura contra a menina.

A criança foi levada pela cunhada do avô após ver a situação em que ela estava já que a esposa do avô não queria levá-la ao hospital. O Conselho Tutelar de Caieiras foi acionado por um médico do pronto-socorro, que chamou a Guarda Civil Metropolitana.

Segundo relatos dos médicos ao Conselho Tutelar, a menina corria risco de morte e não sobreviveria mais de uma semana. Eles também afirmaram que a tortura ocorre há alguns meses.

Leia também

O Conselho, por sua vez, acionou a Delegacia Seccional de Francisco Morato, que registrou a ocorrência na Delegacia de Caieiras como abandono de incapaz. No entanto, na avaliação do Conselho Tutelar e o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) o caso é tortura e de tentativa de homicídio, e não apenas maus tratos.

O avô da criança e sua mulher, principais suspeitos, foram presos. mas pagaram uma fiança de R$ 2 mil cada e respondem o inquérito em liberdade.

O avô é quem tinha a guarda provisória da menina desde o dia 9 de abril deste ano. A guarda estava vencida e não havia sido renovada.

O Conselho ainda enfrenta dificuldades em encontrar os pais ou qualquer outro parente da criança. O MP-SP já se manifestou a favor de que a menina, após sair do hospital, seja encaminhada para um abrigo municipal e não volte para casa.