Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.642,89
    -154,27 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Avião elétrico da NASA deve realizar voo inaugural em breve

·2 min de leitura

A NASA está prestes a colocar um de seus projetos mais audaciosos e importantes literalmente no ar. O X-57 Maxwell, protótipo de avião elétrico turboélice, deve realizar seu primeiro voo no início de 2022, mais precisamente no começo da primavera no hemisfério norte (outono no Brasil). A informação foi dada pelo chefe da agência espacial, Bill Nelson, que visitou o Armstrong Flight Research Center em Edwards, Califórnia, local onde a aeronave é desenvolvida.

O X-57 Maxwell é uma adaptação do avião italiano Tecnam P2006T, que recebeu novas asas e propulsores. Diferente de sua versão padrão, a modificada pela NASA tem asas mais finas, já que não precisa mais armazenar querosene, mas, em contrapartida, o assoalho abriga as baterias de íon-lítio que dão vida à aeronave. Ao todo, são 12 rotores elétricos que farão o trabalho de decolar o protótipo.

A demora em executar o primeiro voo do X-57 é devido à dificuldade de se encontrar o melhor caminho para levar o peso extra das baterias. No caso do avião elétrico da NASA, elas pesam pouco mais de 360kgs, já que são instaladas não apenas as células que estarão em uso, mas também as reservas para o caso de uma emergência. Isso sem falar na autonomia, que ainda é muito baixa.

Segundo a NASA, os avanços na criação de uma tecnologia de baterias que ajude a aeronave levantar voo com uma autonomia considerável foram bem grandes e serão um ponto de mudança para a aviação global. Um dos recursos mais importantes será justamente um sistema que verifica eventuais falhas de abastecimento das células, fazendo com que o avião utilize as baterias sem defeito mesmo durante o voo.

Além do X-57 Maxwell, a NASA também trabalha em outros modelos de aeronaves e veículos zero emissão, como o carro voador desenvolvido em parceria com a Joby Aviation e que também está em fase final de testes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos