Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.251,14
    -215,10 (-0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.699,60
    -227,78 (-0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,64
    -0,86 (-1,29%)
     
  • OURO

    1.786,70
    +24,00 (+1,36%)
     
  • BTC-USD

    53.411,43
    -3.540,56 (-6,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.352,08
    -89,68 (-6,22%)
     
  • S&P500

    4.501,12
    -75,98 (-1,66%)
     
  • DOW JONES

    34.318,89
    -320,90 (-0,93%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.568,50
    -420,00 (-2,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4151
    +0,0349 (+0,55%)
     

Avanço da delta está em ritmo menor do que o esperado, mas estatísticos fazem alerta

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Funcionário trabalha no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. (Foto: Robson Ventura/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Funcionário trabalha no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. (Foto: Robson Ventura/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A variante delta do novo coronavírus não teve, ao menos por ora, a proliferação prevista inicialmente pelos especialistas.

A continuidade de obrigação do uso de máscaras, o grande número de pessoas contaminadas e ainda as medidas de restrição podem ter colaborado para que a expansão não tenha sido tão rápida no estado e na cidade de São Paulo quanto foi em Israel, Nova York e Londres.

"Felizmente a variante dela não entrou no Brasil com a velocidade que temíamos. Alguns até especulam uma espécie de justificativa ecológica, uma competição com a variante gama, não disseminada em outras metrópoles. E precisamos lembrar que em alguns locais o uso da máscara foi abolido, o que pode ter influído diretamente na disseminação", afirma o infectologista Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza, professor da Faculdade de Medicina da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Botucatu (interior de SP) e presidente da Sociedade Paulista de Infectologia.

Por outro lado, para pesquisadores ligados ao projeto SP Covid-19 Info Tracker, uma plataforma desenvolvida por pesquisadores da USP e da Unesp, com apoio da Fapesp (Fundo de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo), para análise de dados da doença, essa proliferação pode ocorrer a partir de setembro.

A projeção foi feita levando em consideração a data de chegada da variante em Israel, Nova York e Londres. Segundo análise dos pesquisadores, os aumentos começaram a ocorrer, em média, 80 dias após a confirmação dos primeiros casos.

Pela análise deles, mesmo medidas como o uso de máscara ou o distanciamento social não devem evitar uma grande expansão no número de casos no estado e na cidade de São Paulo no próximo mês.

NO ESTADO

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, um estudo do instituto Adolfo Lutz do dia 1º de agosto indicou que a variante delta foi detectada em 4% das amostras analisadas.

Até agora, ela foi encontrada em três regiões: Grande São Paulo, Baixada Santista e Taubaté.

Segundo o mesmo estudo, a variante gama ainda responde pela maioria absoluta dos casos de Covid-19 no estado de São Paulo.

O balanço mais recente do Centro de Vigilância Epidemiológica indica que já foram detectados 231 casos da variante delta, sendo 52 autóctones (contraídos no estado), 10 importados e 169 ainda em investigação.

Dados apresentados na quarta-feira (18) durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes indicam queda de 9% no número de casos, e de 4,3% na quantidade de internações.

A pasta reitera a importância de continuidade das medidas de prevenção contra o coronavírus, tais como o uso de máscaras, higienização das mãos e evitar aglomerações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos