Mercado fechará em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    122.034,49
    +1.685,70 (+1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.252,40
    +360,12 (+0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,18
    -0,18 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.836,90
    +7,00 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    35.723,79
    -335,09 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,18
    -39,96 (-5,44%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.811,00
    +8,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3661
    -0,0265 (-0,41%)
     

Avanço da covid-19 nos EUA derruba setor de varejo em novembro

·1 minuto de leitura
Livraria em Los Angeles, Califórnia, em 24 de novembro de 2020

As vendas no varejo despencaram em novembro nos Estados Unidos - apontam dados divulgados pelo governo nesta quarta-feira (16), mostrando as consequências do avanço da covid-19 em uma economia que espera desesperadamente por mais ajuda do Congresso.

As vendas caíram 1,1% em relação a outubro, de acordo com dados do Departamento do Comércio, uma panorama pior do que as expectativas dos analistas.

Os dados entram no debate político, no momento em que o Congresso negocia um novo plano de alívio para a economia, ante o vencimento iminente dos primeiros pacotes de ajuda negociados no início da pandemia, no total de US$ 2,7 trilhões.

Na terça-feira à noite, o líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell, disse estar "otimista" sobre a possibilidade de se chegar a um acordo.

O avanço das negociações é crítico, dado o vencimento em breve de muitas ajudas que podem deixar milhões de pessoas sem qualquer renda.

As demissões continuam, e o país soma mais de 303.000 mortes por covid-19, mais do que qualquer outro no mundo.

"Com a redução da mobilidade, diminuição do emprego e uma demanda que oscila, a temporada de festas pode ser bastante desastrosa", alertou o economista Gregory Daco, da consultoria Oxford Economics.

Um dos setores mais atingidos no mês passado foram as lojas de departamentos, com queda de 7,7%, assim como o de vestuário e acessórios, com queda de 6,8%.

As vendas de eletrônicos e eletrodomésticos caíram 3,5%, e os de alimentos e bebidas - negócios muito vulneráveis às restrições para conter a covid-19 - tiveram queda de 4%.

cs-an/mr/tt