Mercado fechará em 4 h 22 min
  • BOVESPA

    113.154,70
    +1.970,75 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.296,41
    -81,06 (-0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,77
    +1,49 (+2,43%)
     
  • OURO

    1.715,80
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    49.385,89
    -1.741,53 (-3,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,95
    +1,74 (+0,18%)
     
  • S&P500

    3.816,88
    -2,84 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.291,90
    +21,81 (+0,07%)
     
  • FTSE

    6.637,63
    -37,84 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.603,00
    -78,75 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7359
    -0,0428 (-0,63%)
     

Avaliação de Bolsonaro volta a piorar em fevereiro, segundo pesquisa XP/Ipespe

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro

A popularidade do presidente Jair Bolsonaro seguiu tendência de queda em fevereiro, apontou pesquisa XP/Ipespe divulgada nesta segunda-feira, que demonstra trajetória de aumento na avaliação negativa desde setembro de 2020.

Segundo o levantamento, houve oscilação entre os consideram a administração ruim ou péssima, parcela que passou de 40% em janeiro para 42% neste mês.

Aqueles que veem o governo como bom ou ótimo oscilaram de 32% para 30%. A pesquisa aponta o quarto aumento consecutivo de avaliação negativa --ela cresce desde setembro, quando batia os 31%.

Ainda de acordo com a pesquisa, a alta na reprovação é impulsionada principalmente pelo grupo dos mais pobres e pelos entrevistados das regiões Norte-Centro-Oeste e Nordeste.

Leia também:

A avaliação sobre a atuação de Bolsonaro no combate ao novo coronavírus também oscilou, de 52% para 53% entre os que a consideram ruim ou péssima.

Esse patamar era 47%, em outubro, e vem aumentando desde então. A sondagem mostra ainda que a avaliação positiva sobre a atuação do presidente frente à pandemia é de 22%, abaixo da verificada para governadores (39%) e prefeitos (41%).

A pesquisa realizou 1.000 entrevistas em todo o território nacional, entre dias 2 e 4 de fevereiro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

da Reuters, por Maria Carolina Marcello e Ricardo Brito