Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,97
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.877,20
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    38.938,72
    +3.066,78 (+8,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.017,00
    +22,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1930
    +0,0004 (+0,01%)
     

Avalanche subaquática mais longa da história cortou até cabos submarinos

·2 minuto de leitura
Avalanche subaquática mais longa da história cortou até cabos submarinos
Avalanche subaquática mais longa da história cortou até cabos submarinos

Uma avalanche subaquática ocorrida em janeiro de 2020 foi a mais longa já registrada em todo o mundo, confirmaram cientistas nesta semana. O evento aconteceu em um desfiladeiro profundo que deságua no oceano Atlântico pela foz do rio Congo, na África.

A corrente de turbidez que arrastou cerca de um quilômetro cúbico de areia e lama para o fundo do mar foi iniciada por uma combinação de grandes enchentes do rio Congo e grandes marés de primavera.

A enorme quantidade de materiais deslocando-se ao longo do fundo do mar quebrou os cabos submarinos SAT-3, WASC e WACS, que foram posteriormente reparados. Como os danos aos equipamentos de telecomunicações foram os maiores já registrados, cientistas esperam que os dados capturados por meio de sensores subaquáticos possam ser usados ​​para ajudar a indústria de cabos submarinos no futuro.

Cabo submarino
Ilustração de cabo submarino. Créditos: Vismar UK/Shutterstock

“Esta é uma nova informação para a indústria de cabos e está sendo usada para projetar novas rotas neste e em outros desfiladeiros. Para evitar as áreas que têm maior probabilidade de sofrer erosão profunda pois isso deixará o cabo mais vulnerável a danos. Os degraus íngremes no desfiladeiro que parecem cachoeiras subaquáticas são conhecidos como ‘knickpoints’”, explicou o Dr. Mike Clare, geocientista marinho do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido e que assessora o Comitê Internacional de Proteção de Cabos.

Além de usar as informações para o planejamento de novos cabos, a avalanche subaquática mais longa da história poderá fazer com que navios de conserto de cabos submarinos possam ser posicionados próximos a áreas onde tal ocorrência é alta, melhorando seu tempo de resposta e limitando a interrupção dos serviços de internet.

Leia mais:

Entenda a importância dos cabos submarinos

É bastante provável que você já tenha ouvido falar de cabos submarinos. Eles são usados em trechos de mar para ligar estações terrestres e, assim, transmitir sinais de telecomunicações por longas distâncias. Para isso, são instalados no assoalho oceânico.

Esses cabos recebem proteção mecânica adicional para que sejam instalados sob a água: normalmente, têm interior de aço e isolamento especial. Eles podem ser metálicos, coaxiais ou ópticos — os mais utilizados atualmente.

Para conhecer mais sobre o funcionamento e importância dos cabos submarinos, confira o especial preparado pelo Olhar Digital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!