Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.943,72
    -292,04 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.414,75
    +606,54 (+1,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,04
    +2,11 (+2,30%)
     
  • OURO

    1.801,50
    -12,20 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    24.202,58
    +552,64 (+2,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,51
    -1,23 (-0,21%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.312,75
    -79,25 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3220
    +0,0756 (+1,44%)
     

Auxílio emergencial: Quase R$ 11,3 bilhões foram pagos a quem não tinha direito

Auxílio Emergencial: Falhas no pagamento foram descobertas pela auditoria da Controladoria-Geral da União. (Getty Images)
Auxílio Emergencial: Falhas no pagamento foram descobertas pela auditoria da Controladoria-Geral da União. (Getty Images)
  • Quase R$ 11,3 bilhões foram pagos, em auxílio emergencial, a pessoas que não tinham direito;

  • Lista inclui menores de idade, pessoas com vínculo trabalhista, agentes públicos e Força Armada;

  • Outros R$ 390 milhões foram entregues a pessoas mortas.

Quase R$ 11,3 bilhões foram pagos, em auxílio emergencial, a pessoas que não tinham direito ao benefício. O valor, distribuído entre 2020 e 2021, atingiu 5,2 milhões de beneficiários, cerca de 7,7% do total, aponta um relatório de auditoria da Controladoria-Geral da União.

O benefício foi parar, indevidamente, nas mãos de pessoas com vínculo formal de trabalho, menores de idade, membros das Forças Armadas e agentes públicos. Até o momento, cerca de R$ 1,1 bilhão (9,97% da quantia) foi devolvido.

Além disso, 35,7 mil pessoas mortas receberam o auxílio emergencial, resultando em R$ 390 milhões de gastos. A descoberta foi feita pela GCU após cruzar os pagamentos com outros dados do governo sobre o cidadão. O Ministério da Cidadania, responsável pelo desembolso da verba, reconheceu que falhou. “Fazíamos a avaliação do óbito pelo CPF da pessoa sem utilização da data de nascimento para uma dupla checagem".

Para resolver este caso, a CGU solicitou que o Ministério da Cidadania “defina procedimentos e responsabilidades pelo acompanhamento da devolução de recursos referentes às parcelas pagas após o óbito dos beneficiários”.

O relatório foi divulgado às vésperas do primeiro pagamento da parcela de R$ 600 do Auxílio Brasil, benefício cujo valor foi aumentado pela chamada PEC Kamikaze. O auxílio emergencial, instituído para amenizar os danos provocados pela Covid-19, pagava inicialmente a mesma quantia, mas foi reduzido posteriormente. Cerca de 68,2 milhões de pessoas foram contempladas. Além da CGU, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal têm realizado diversas operações para investigar os fraudadores do benefício.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos