Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.359,70
    -4.777,47 (-7,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Auxílio emergencial: o que dá para comprar no supermercado com R$ 250?

Marcela Leite
·3 minuto de leitura
Personal perspective of a shopper pushing shopping trolley along product aisle while shopping in a supermarket
Em São Paulo, a cesta básica custando R$ 654,15, bem mais que os R$ 250 do auxílio
  • Auxílio emergencial deve voltar a ser pago em 2021 e valor médio é de R$ 250

  • Em janeiro, preços das cestas básicas aumentaram nas 13 capitais pesquisadas pelo Dieese

  • Diretora da campanha Renda Básica que Queremos foi às compras e ficou longe de encher o carrinho

A volta do pagamento do auxílio emergencial já foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na última quinta-feira (18), por meio de uma MP (Medida Provisória) que dá direito a mais uma rodada de quatro parcelas do benefício a partir de abril. O valor médio a ser pago para famílias em situação de vulnerabilidade é de R$ 250, mas o que dá para comprar no supermercado com o valor?

Leia também:

Para mostrar isso, a diretora de relações institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica, que compõe a campanha "Renda Básica que Queremos", foi às compras e gravou um vídeo.

Foram duas caixas de leite; 5 kg de arroz; dois pacotes de pão; duas embalagens de pó de café e dois litros de óleo. Além disso, ela levou mais 3 kg de feijão; 3 kg de farinha; 3 kg de açúcar; um pote de margarina e 2 kg de carne moída. No carrinho sem frutas e legumes, que ficou longe de encher, o preço da compra do mês ultrapassou em R$ 4,48 o valor médio de R$ 250 do benefício.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Alta da cesta básica

Em janeiro, segundo dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), os preços da cesta básica - conjunto de alimentos básicos necessários para as refeições de uma pessoa adulta por um mês - aumentaram nas 13 capitais pesquisadas em janeiro.

Em São Paulo, o valor da cesta básica foi o mais alto, custando R$ 654,15 e consumindo 64,29% do salário mínimo. Em Aracaju, onde o preço foi mais barato, mesmo assim não daria para passar o mês com R$ 250. Na capital sergipana, o preço médio foi de R$ 450,84, cerca de 44,31% do salário mínimo.

Valores do benefício

O governo federal prevê que 45 milhões de pessoas sejam contempladas na nova fase do programa de auxílio emergencial. Lembrando que os valores do benefício variam entre R$ 150 e R$ 375. Quem recebe os R$ 150 são pessoas que moram sozinhas, já os R$ 250 serão recebidos por famílias em situação de vulnerabilidade e os R$ 375 serão destinados a mulheres com filhos e que são as provedoras do lar. Serão pagas quatro parcelas.

Quem não terá direito?

Menores de 18 anos, exceto mães adolescentes; pessoas que têm emprego com carteira assinada ou que recebem algum benefício do governo (exceto o Bolsa Família e abono); quem não movimentou os valores do auxílio emergencial pago no ano passado; quem teve o auxílio de 2020 cancelado até dezembro do ano passado; estagiários e residentes médicos, multiprofissionais e quem recebe bolsa de estudos ou similares; quem teve renda tributável acima de R$ 28.559,70 em 2019; quem recebeu em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil; e pessoas que, em 31 de dezembro de 2019, tinham propriedade de bens e direitos em valor total superior a R$ 300 mil.