Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.578,05
    -466,96 (-0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Auxílio Emergencial: mães vão à Justiça para reaver benefício

·2 minuto de leitura
  • Grupo de mulheres busca assistência na Defensoria Pública da União para reaver benefício;

  • Mais de 90% dos relatos mostram que os canais de atendimento não funcionam;

  • Pelo menos 1 milhão de pessoas tiveram Auxílio Emergencial suspenso só em junho.

O pente fino realizado pelo Ministério da Cidadania no Auxílio Emergencial segue prejudicando famílias, em especial as de formato monoparental. Após a entrevista dada ao Yahoo Finanças, as organizadoras do grupo Mães Solo Bloqueadas (@maes_solo_bloqueadas) receberam mais relatos de mulheres que tentam, sem sucesso, reaver o benefício do governo federal. Parte delas vem buscando outras formas de contestar o corte, recorrendo à Justiça para reaver benefício.

Uma das ferramentas agora, segundo Rafaelly Souza, moradora de Recife (PE), foi buscar a Defensoria Pública da União. Porém, 90% das mães não estão conseguindo retorno. Em uma das postagens, o perfil mostrou que uma contestação via decisão judicial desbloqueou o auxílio.

Leia também:

"Fui procurada por uma mãe que teve seu auxílio desbloqueado, ela também foi bloqueada no dia 11 de Junho. O auxílio foi desbloqueado por DECISÃO JUDICIAL, mas ainda não foi informado a data para o pagamento. Ela foi uma das poucas que conseguiram recorrer a DPU. A grande maioria NÃO consegue ter acesso ao aplicativo, já o site diz que já excedeu o limite de atendimento. Assim estão prejudicando milhares de pessoas aptas a continuarem recebendo seu auxílio emergencial". 

"Algumas conseguiram, mas quando finaliza não consegue enviar. Aí tem casos de que a DPU não atende na região também. Estão fazendo de tudo para que as pessoas não possam contestar. Elas estão aptas a receber o benefício e podem provar. Provando, eles terão que pagar", defende Rafaelly, que também faz parte do Mães Solo Bloqueadas. 

Na página oficial da Defensoria, há um FAQ com principais dúvidas sobre o Auxílio. Em caso de o benefício ser negado ou suspenso, é possível solicitar assistência jurídica via aplicativo. 

"A Defensoria Pública da União criou o aplicativo DPU Cidadão, disponível nas plataformas Android e IOS, para a solicitação inicial de assistência jurídica nas demandas de auxílio emergencial. 

Em razão da falta de estrutura, a DPU afirma que atende somente cerca de 32% dos municípios brasileiros, pois contam com somente 467 defensores/as com atuação em na 1ª instância, 122 nos Tribunais Regionais e 50 nos Tribunais Superiores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos