Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.355,22
    -148,59 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2020
    -0,1217 (-2,29%)
     

Auxílio doença poderá ser concedido sem perícia médica; entenda

Portaria regulamenta medida provisória publicada em 20 de abril (Getty Images)
Portaria regulamenta medida provisória publicada em 20 de abril

(Getty Images)

  • Auxílio doença poderá ser concedido sem necessidade de perícia médica;

  • Medida vale para casos em que tempo de espera para realizar o procedimento supere 30 dias;

  • Segurado terá que apresentar atestado ou lado médico, legível e sem rasuras.

A perícia médica, necessária para a concessão do auxílio por incapacidade temporária (antigo auxílio doença), poderá ser dispensada caso o tempo de espera para a realização do procedimento seja superior a 30 dias. A atualização consta em portaria publicada, nesta sexta-feira (29), no Diário Oficial da União.

O texto regulamenta uma medida provisória publicada em 20 de abril, que muda a análise e concessão dos benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Dentre as medidas, está a aprovação simplificada do auxílio-doença, feita por meio de análise documental pela Perícia Médica Federal. Os segurados devem apresentar atestado ou laudo médico, legível e sem rasuras, com as seguintes informações:

  • Nome completo do requerente;

  • Data de emissão do documento médico, que não pode ser superior a 30 dias da data de entrada do requerimento;

  • Informações sobre a doença ou CID;

  • Assinatura do profissional emitente e carimbo de identificação, com registro do Conselho de Classe, que poderão ser eletrônicos ou digitais, desde que respeitados os parâmetros estabelecidos pela legislação vigente; e

  • Data de início do repouso e o prazo estimado necessário;

O benefício concedido por meio de análise documental tem duração máxima de 90 dias. Vale destacar que a apresentação de atestado falso ou com informações falsas configura crime de falsidade documental. Nesse caso, o segurado fica sujeito às sanções penais e ao ressarcimento dos valores indevidamente recebidos.

Quem já tiver exame médico-pericial agendado, pode optar pelo procedimento de análise documental. Não caberá recurso, caso a Perícia Médica Federal negue o auxílio. A portaria entra em vigor hoje e fica vigente por 30 dias, prorrogáveis por ato conjunto do Ministério do Trabalho e Previdência e do INSS.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos