Mercado fechará em 6 mins
  • BOVESPA

    110.077,24
    -1.846,69 (-1,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.977,81
    -256,56 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,69
    -2,29 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.780,60
    -29,00 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    17.077,92
    -12,83 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,54
    -7,67 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.002,05
    -69,65 (-1,71%)
     
  • DOW JONES

    33.976,14
    -453,74 (-1,32%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.827,00
    -183,25 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5338
    +0,0398 (+0,72%)
     

Auxílio Brasil voltará a usar regras do Bolsa Família? Entenda

O governo eleito diz que uma das prioridades é manter o valor de R$ 600 no pagamento do Auxílio Brasil (Getty Image)
O governo eleito diz que uma das prioridades é manter o valor de R$ 600 no pagamento do Auxílio Brasil (Getty Image)
  • Auxílio Brasil pode voltar a ter as mesmas regras que o Bolsa Família;

  • Medidas garantiam a vacinação das crianças e reduziam a evasão escolar.

  • Governo ainda quer garantir o pagamento no valor de R$ 600.

Manter as crianças vacinadas e estudando eram algumas das exigências do Bolsa Família, programa de transferência de renda criado durante a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Essas medidas garantiam a saúde dessas pessoas, além de diminuir a evasão escolar.

Após ser substituído pelo Auxílio Brasil, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), o benefício passou a ignorar essas questões. Contudo, no ano que vem, essas premissas podem voltar a valer.

Em entrevista ao Estadão, Tereza Campello, ex-ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome da gestão Dilma Rousseff (PT) e uma das responsáveis pela área social na campanha de Lula, disse que, apesar das mudanças, a transição do governo terá como princípio básico a manutenção do pagamento do benefício.

"É fundamental reafirmar que buscaremos uma transição que priorize a preservação dos direitos da população e evite qualquer descontinuidade. Temos uma experiência muito positiva em 2002, na transição da gestão Fernando Henrique Cardoso, e esperamos que se dê nos mesmos moldes, pautada pelo interesse do povo", afirmou.

O governo eleito diz que uma das prioridades é manter o valor de R$ 600. Apesar do governo atual não ter disponibilizado verba suficiente para o ano que vem, ao aprovar o Orçamento de 2023, o governo lula planeja fazer articulações para garantir o benefício.

Em seguida, o Auxílio Brasil ganhará nova estrutura, similar à do antigo Bolsa Família. Uma das prioridades é pagar R$ 150 a mais por filho menor de seis anos.

Tereza também ressaltou que atualmente o Auxílio Brasil paga o mesmo valor para um homem solteiro e para uma mulher que mora com vários filhos, por exemplo. "Ambos recebem o mesmo valor. É injusto", afirma.