Mercado fechará em 5 h 55 min
  • BOVESPA

    109.643,38
    +529,23 (+0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.010,79
    +202,23 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,14
    +2,43 (+3,17%)
     
  • OURO

    1.646,90
    +13,50 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    20.181,36
    +994,79 (+5,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,34
    +2,20 (+0,48%)
     
  • S&P500

    3.683,16
    +28,12 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    29.435,75
    +174,94 (+0,60%)
     
  • FTSE

    7.026,77
    +5,82 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.503,75
    +187,50 (+1,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1647
    -0,0147 (-0,28%)
     

Auxílio Brasil: Guedes diz manter R$ 600 em 2023 se guerra na Ucrânia continuar

Auxílio Brasil: Guedes disse manter R$ 600 em 2023 caso a guerra na Ucrânia continue
Auxílio Brasil: Guedes disse manter R$ 600 em 2023 caso a guerra na Ucrânia continue
  • O valor de R$ 600 do Auxílio Brasil foi aprovado até dezembro;

  • A proposta orçamentária do governo prevê que o benefício terá valor de R$ 400 em 2023;

  • O aumento temporário foi visto por especialistas como uma medida eleitoreira.

Durante a 10ª edição da "Feira do Empreendedor" nesta quinta-feira (1º), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o atual valor de R$ 600 do Auxilio Brasil poderá ser prorrogado no ano que vem caso a guerra na Ucrânia continue. A fala ocorreu após o governo ter enviado ao Congresso Nacional uma proposta de Orçamento que prevê o valor de R$ 400 para benefício em 2023.

“Se a guerra da Ucrânia continua, prorroga o estado de calamidade e aí você continua com R$ 600”, afirmou Guedes

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 MinutosNo evento organizado pelo Sebrae, o ministro alegou que a dinâmica de valores do benefício é influenciada pelas calamidades enfrentadas pela população.

“É possível pagar R$ 600? A resposta vocês já têm. O que nós fizemos nesses dois, três anos, R$600. Primeiro R$ 600, aí depois a doença estava recuando, R$ 400. Aí, a inflação subiu, houve um imperativo político, todo mundo reclamando da situação de dificuldade, que os mais frágeis estavam desprotegidos. O que nós fizemos, dentro da responsabilidade fiscal, ou seja, gerando superávit esse ano, foi pagar R$ 600”, afirmou o ministro.

O aumento temporário do valor do Auxílio Brasil para R$ 600 até dezembro foi vista por especialistas como uma tentativa de melhorar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro em ano de eleição. Na ocasião, o Planalto teve que decretar estado de calamidade pública usando como justificativa justamente a guerra na Ucrãnia.

Por desrespeitar várias regras fiscais, inclusive o teto de gastos, a ampliação do benefício só foi possível através do decreto de calamidade. Além de citar novamente a guerra no leste europeu, Guedes defendeu soluções de longo prazo para manter o atual valor do Auxílio Brasil

“Mas acabou a guerra (na hipótese de haver solução do conflito) e nós precisamos de uma solução estrutural e permanente: a Câmara já aprovou o imposto sobre lucros e dividendos. Isso daria R$ 69 bilhões. Dá perfeitamente para fazer um reajuste da tabela de IR (Imposto de Renda) de R$ 17 bilhões e mais os R$ 52 bilhões do auxílio. Se fizer isso, está tudo certo”, afirmou Guedes.