Mercado abrirá em 8 h 19 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,89
    +0,91 (+1,14%)
     
  • OURO

    1.820,50
    +10,90 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    17.226,19
    +253,92 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    408,40
    +6,98 (+1,74%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.363,49
    +688,14 (+3,68%)
     
  • NIKKEI

    27.808,74
    +30,84 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    11.994,00
    -16,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5209
    +0,0269 (+0,49%)
     

Auxílio Brasil: famílias passam até 40 dias sem receber por mudanças no calendário

O calendário do Auxílio Brasil é alterado circunstancialmente pela da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro
O calendário do Auxílio Brasil é alterado circunstancialmente pela da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (Getty Image)
  • Governo muda constantemente os pagamentos do Auxilio Brasil

  • Beneficiários chegam a ficar 40 dias sem receber o dinheiro

  • Falta de previsibilidade atrapalha no planejamento financeiro

A maior parte das empresas brasileiras adota o sistema de pagamento de salários mensal, enquanto uma parte prefere fazer depósitos a cada 15 dias. A constância e a previsibilidade do depósito dos valores é uma garantia essencial para a organização financeira e administração de recursos pessoais.

Isso não é o que acontece com o Auxílio Brasil. O cronograma é alterado circunstancialmente pela da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), o que interfere diretamente no planejamento das famílias brasileiras.

Antes de ser substituído pelo Auxílio Brasil, o Bolsa Família depositava os valores aos beneficiários a partir da segunda quinzena do mês. O cronograma seguia a ordem definida pelo NIS, garantindo que as famílias receba a cada 30 dias o benefício.

Como as contas de aluguel, água, luz e serviços gerais têm uma data de vencimento, é importante haver uma constância nos pagamentos para evitar multas. As compras de mantimentos também são planejadas para durar um determinado período de tempo. Caso o dinheiro demore para cair, a pessoa que espera pela quantia pode ver a comida faltar na dispensa.

No mês de agosto deste ano, Bolsonaro decidiu antecipou o pagamento do programa em dez dias. A decisão ocorreu ocorreu por causa da PEC Eleitoral, que ampliou até dezembro o valor do benefício de R$ 400 para R$ 600.

No entanto, em setembro o calendário não foi alterado. Isso fez com que as famílias que precisam do benefício esperassem 40 dias, mais de um mês, para receber o dinheiro.

Neste mês, o governo antecipou novamente o depósito para que o dinheiro fosse pago para todas as pessoas que têm direito antes da conclusão das eleições. Dessa forma, se o calendário não for mudado novamente no próximo depósito, as pessoas que mais precisam de recursos podem ficar, mais uma vez, prejudicadas pelas mudanças bruscas e imprevisíveis do atual governante.