Mercado abrirá em 4 h 6 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,19
    -0,33 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.723,40
    -7,10 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    20.154,08
    +241,86 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,48
    +11,05 (+2,48%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.006,99
    -79,47 (-1,12%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.551,50
    -89,25 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Auxílio Brasil deixa 8 milhões de "invisíveis" de fora

8 milhões de
8 milhões de "invisíveis" estão de fora do Auxílio Brasil. Foto: Rafael Henrique / SOPA Images / LightRocket / Getty Images.
  • Pelo menos 8,3 milhões de pessoas teriam direito a pedir o auxílio se houvesse correção integral do valor que define linha de pobreza pela inflação desde 2004;

  • Se as linhas tivessem sido corrigidas pela inflação, mais brasileiros seriam contemplados com o benefício;

  • Auxílio Brasil chega a 20,2 milhões de famílias em agosto.

O Auxílio Brasil, principal programa social do país, contemplará cerca de 20,2 milhões de famílias com R$ 600 a partir da próxima terça-feira (9). Ao todo, serão 56,4 milhões de pessoas beneficiadas, ou seja, 26% da população brasileira.

Esse número bate de frente com a pobreza presente em grandes cidades do Brasil, onde há, pelo menos, 8,3 milhões “invisíveis”. Isto é, brasileiros que teriam direito ao auxílio se houvesse a correção integral do valor que marca a linha da pobreza pela inflação desde 2004, época em que se institucionalizou o Bolsa Família.

Leia também:

De acordo com cálculos realizados pelos economistas Alysson Portella e Sergio Firpo, do Insper, instituição sem fins lucrativos de ensino superior em negócios, direito e engenharia, a pedido do jornal O Globo, as linhas de pobreza e de extrema pobreza estão ultrapassadas.

Enquanto a primeira definição inclui quem tem uma renda per capital familiar mensal de R$ 210, a segunda abarca famílias que ganham por volta de R$ 105. Esses números eram, respectivamente, R$ 100 e R$ 50 em janeiro de 2004.

Essas linhas pulariam para R$ 143 e R$ 287 com a reposição inflacionária pelo IPCA na época. Com a correção menor que a inflação, o número de famílias que não pode pedir o benefício por ter renda per capita de R$ 210 a R$ 287 é de 8.265.501.

Auxílio Brasil de R$ 600 é insuficiente para grande parte da população

Pesquisa feita pelo Datafolha em 183 cidades aponta que, apesar de o Auxílio Brasil passar a ser de R$ 600, o valor segue não sendo suficiente para mais da metade dos beneficiários. O instituto ouviu presencialmente 2.556 pessoas e a margem de erro é de dois pontos para cima ou para baixo.

O levantamento aponta que para 56% dos eleitores o valor, que passou de R$ 400 para R$ 600, ainda não é o suficiente. Enquanto isso, 38% avaliam como suficiente e 8% dizem ser mais do que suficiente. Antes do aumento de R$ 200, a porcentagem de pessoas que julgavam o valor insuficiente era 69%.

*Com informações do jornal O Globo.