Mercado fechará em 4 h 14 min

Auxílio Brasil de R$ 600 não é suficiente para comprar cesta básica

Poder de compra do brasileiro caiu de 2020 para cá (Getty Images)
Poder de compra do brasileiro caiu de 2020 para cá

(Getty Images)

  • Mesmo se o Auxílio Brasil sair de R$ 400 para R$ 600, ainda não conseguirá comprar cesta básica;

  • Conjunto de alimentos custa mais de R$ 770 em algumas capitais; somente 5 estão abaixo dos R$ 600;

  • Valor também é menor que o do Auxílio Emergencial, cuja correção o coloca em R$ 719,40.

Mesmo com possível aumento de R$ 200, o Auxílio Brasil ainda não será capaz de comprar uma cesta básica. O valor, que deve sair de R$ 400 para R$ 600, conforme aprovado nesta quinta-feira (30) pelo Senado, fica abaixo dos mais de R$ 770 cobrados no conjunto de alimentos em algumas capitais.

É o caso de São Paulo, onde a cesta básica custa R$ 777,93. Em Florianópolis e Porto Alegre, fica apenas alguns reais mais barata, batendo os R$ 772,07 e R$ R$ 768,76, respectivamente. A compra com o dinheiro recebido pelo Auxílio Brasil só é possível em cinco regiões: Aracaju, João Pessoa, Natal, Recife e Salvador e ainda assim todas as cestas estão acima de R$ 540.

Os dados do Dieese também mostram o quanto o poder de compra do brasileiro caiu de 2020 para cá, já que na época, o Auxílio Emergencial de R$ 600 era suficiente para adquirir os alimentos em todas as 17 capitais pesquisadas e ainda sobrava para outros gastos. A mais cara era a de São Paulo, que chegava a R$ 556,25. Já a mais barata se encontrava em Aracaju, por R$ 401,37.

Vale destacar que o Auxílio Emergencial, corrigido pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), também é maior que o Auxílio Brasil. Hoje, o tíquete seria de R$ 719,40 – o que ainda impossibilita a compra das cestas básicas em algumas capitais.