Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.031,16
    +54,45 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.062,63
    -606,01 (-1,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,65
    +0,37 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.739,70
    -14,30 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    16.223,43
    -343,39 (-2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,38
    +0,09 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.615,00
    -167,75 (-1,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    -0,0720 (-1,28%)
     

Auxílio Brasil de R$ 600 é insuficiente para mais da metade dos beneficiários

Para boa parte da população, Auxílio Brasil é considerado uma medida eleitoreira, já que o aumento só vai até o fim do ano (Photo Illustration by Thiago Prudencio/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Para boa parte da população, Auxílio Brasil é considerado uma medida eleitoreira, já que o aumento só vai até o fim do ano (Photo Illustration by Thiago Prudencio/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Novo valor do Auxílio Brasil segue não sendo suficiente para mais da metade dos beneficiários

  • Para boa parte da população, Auxílio Brasil é considerado uma medida eleitoreira

  • Desde o início da pandemia a classe C diminuiu e não deve recuperar o patamar de 2020 até 2024

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha em 183 cidades constatou que apesar de o Auxílio Brasil passar a ser de R$ 600, o valor segue não sendo suficiente para mais da metade dos beneficiários. O instituto ouviu presencialmente 2.556 pessoas e a margem de erro é de dois pontos para cima ou para baixo.

O levantamento aponta que para 56% dos eleitores, o valor ter passado de R$ 400 para R$ 600 ainda não é o bastante. Já 38% avaliam como suficiente e 8% afirmam ser mais do que suficiente. Antes do aumento de R$ 200, a porcentagem de pessoas que julgavam o valor insuficiente era de 69%.

A pesquisa também apontou que para 61% dos entrevistados, o Auxílio Brasil é considerado uma medida eleitoreira, já que o aumento só vai até o fim do ano. Mesmo entre apoiadores do governo, pelo menos 20% dos consultados compartilham dessa opinião.

Dados de um relatório feito pela Tendências Consultoria, obtido pela GloboNews, apontam que mesmo levando em consideração o aumento do Auxílio Brasil (de R$ 400,00 para R$ 600,00), a ascensão social de pessoas das classes D e E ainda ocorrerá de forma lenta no país.

Desde o início da pandemia a classe C (renda de R$3,0 mil e R$ 7,2 mil) diminuiu e não deve recuperar o patamar de 2020 até 2024. A dois anos atrás a quantidade de domicílios que estavam enquadrados no padrão era de 23,1 milhões. A previsão é que 2022 registre 21,1 milhões e 21,7 milhões em 2023.

As classes D e E devem aumentar no período. Em 2020 eram 36,6 milhões de domicílios na camada da população com renda inferior a R$ 3 mil. Em 2022, o Brasil deve atingir 40,7 milhões de lares na camada mais vulnerável da população.