Mercado abrirá em 55 mins
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,96
    +0,13 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.908,40
    -3,30 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    11.833,91
    +776,90 (+7,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,74
    +6,07 (+2,60%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.905,34
    +20,69 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.741,25
    +91,00 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6043
    +0,0054 (+0,08%)
     

Auxiliares de Crivella suspeitos de atrapalhar trabalho de jornalistas são alvos de ação da polícia

·2 minutos de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A polícia do Rio de Janeiro estava cumprindo nesta terça-feira nove mandados de busca e apreensão em endereços de pessoas que seriam ligadas à prefeitura da cidade e atuavam para atrapalhar e cercear o trabalho da imprensa e para intimidar pacientes da rede pública de saúde.

Os crimes investigados são de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública, associação criminosa e advocacia administrativa.

“Tais crimes foram cometidos por servidores públicos contra jornalistas no exercício da função”, disse a polícia do Rio de Janeiro.

Os agentes buscam computadores, telefones e outros meios utilizados para agendar e combinar os atos de cerceamento à imprensa.

A intimidação acontecia normalmente na porta de hospitais públicos da cidade, segundo reportagem da TV Globo. Pessoas ligadas à prefeitura e servidores municipais atuavam para cercear a cobertura jornalística nos hospitais. Os integrantes do grupo atrapalhavam as reportagens e ainda questionavam as reclamações feitas a jornalistas por pacientes que buscavam atendimento médico na rede de saúde.

A atuação, segundo reportagem da Globo, era combinada em grupos de WhatsApp e duplas eram designadas para plantões e sentinelas na porta dos hospitais municipais. Eles chegavam bem cedo as unidades para monitorar e atrapalhar o trabalho dos jornalistas

Além da polícia, o Ministério Público também pretende investigar o caso e parlamentares defendem a cassação do prefeito e abertura de uma CPI às vésperas da eleição de novembro, na qual Crivella tentará a reeleição.

“A mínima atitude que os vereadores podem tomar é instalar uma CPI e brigar para investigar esse crime com o nosso dinheiro que deve estar investido em médico, enfermeiros, remédios e não em milícia eleitoral“, disse a Reuters o vereador Paulo Messina (MDB), ex-secretário da Casa Civil de Crivella e hoje um dos líderes da oposição.

Em nota, a prefeitura não deu maiores detalhes sobre a atuação do grupo que ficou conhecido como “Guardiões do Crivella“ e afirmou que “reforçou o atendimento em unidades de saúde municipais no sentido de melhor informar à população e evitar riscos à saúde pública, como, por exemplo, quando uma parte da imprensa veiculou que um hospital (no caso, o Albert Schweitzer) estava fechado, mas a unidade estava aberta para atendimento a quem precisava".

"A Prefeitura destaca que uma falsa informação pode levar pessoas necessitadas a não buscarem o tratamento onde ele é oferecido, causando riscos à saúde”, acrescenta a nota.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)