Mercado fechará em 5 h 14 min

Auxílio emergencial será de R$ 300 até final do ano, anuncia Bolsonaro

Por Lisandra Paraguassu
·2 minutos de leitura
Presidente Jair Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília
Presidente Jair Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O valor do auxílio emergencial que será pago pelo governo federal a vulneráveis até o final do ano por causa da pandemia de coronavírus será de 300 reais mensais, anunciou nesta terça-feira o presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de líderes parlamentares no Palácio da Alvorada.

A extensão do auxílio, que vinha sendo discutida pelo governo há algumas semanas, foi confirmada até dezembro pelo presidente.

"Nós decidimos aqui, atendendo à economia, em cima da responsabilidade fiscal, fixá-lo em 300 reais", disse o presidente depois de reunião em que apresentou as medidas aos líderes dos partidos da base do governo no Congresso.

Bolsonaro acrescentou ainda que a decisão do governo e dos líderes é fazer a prorrogação por medida provisória.

O auxílio emergencial pago pelo governo durante a pandemia tem sido apontado como principal fator para o aumento da aprovação do governo Bolsonaro, registrado em pesquisas de opinião recentes.

De acordo com Guedes, a extensão do benefício custará à União quase 90 bilhões até o final do ano. Até agosto foram investidos 254,4 bilhões de reais no programa.

O valor de 300 reais, apesar de ser a metade do auxílio pago até agora, foi uma imposição de Bolsonaro. A equipe econômica defendia um valor menor, entre 200 e 250 reais.

No início da pandemia de Covid-19, o governo Bolsonaro divulgou proposta de um auxílio de 200 reais, mais próximo à média então concedida pelo Bolsa Família, de 180 reais, enquanto o Congresso trabalhou num texto que previa a concessão de 500 reais. Ao fim, os parlamentares acabaram aprovando um benefício de 600 reais com a sanção do presidente, que terminou por capitalizar o valor como vitória do governo.

No pronunciamento no Palácio da Alvorada, Bolsonaro também anunciou que o governo enviará na quinta-feira a proposta de reforma administrativa ao Congresso, e tanto Bolsonaro quanto Guedes enfatizaram que a proposta não atingirá os servidores públicos que estão em atividade, focando-se principalmente nos futuros funcionários.