Mercado fechará em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    118.066,21
    +868,39 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.881,20
    +35,37 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,98
    +0,22 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.721,90
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    20.206,23
    +307,50 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,87
    -3,25 (-0,70%)
     
  • S&P500

    3.776,80
    -6,48 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    30.177,74
    -96,13 (-0,32%)
     
  • FTSE

    6.989,97
    -62,65 (-0,89%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,77 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.690,00
    +66,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1120
    -0,0242 (-0,47%)
     

Auxílio e combustível mais barato devem fazer varejo subir preços

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A escalada da inflação em 2022 e, especialmente, no segundo trimestre do ano, fez o varejo mexer nas suas margens de lucro. Em abril, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) atingiu o pico de 12,13% em 12 meses, para fechar junho em 11,89% no acumulado anual.

De acordo com levantamento feito pela consultoria Economatica para a Folha de S.Paulo, dos 29 varejistas com ações negociadas na Bovespa, 21 reduziram no segundo trimestre a sua margem bruta (diferença entre a receita e o custo da mercadoria vendida), seja em relação ao primeiro trimestre do ano, seja em comparação ao segundo trimestre de 2021.

O levantamento apontou que, entre abril e junho deste ano, os varejistas aplicaram margens brutas entre 10,5% e 67,6%. No período, o indicador apresentou reduções entre 0,1 ponto percentual (p.p.) e 7,5 p.p.

"As reduções na margem bruta indicam que o varejo procurou segurar em parte o aumento da inflação e não repassá-lo na sua totalidade ao consumidor, a fim de não perder vendas", disse Carlos Vieira, analista-chefe da TC Economatica.

De acordo com Vieira, a tendência é que agora, no segundo semestre do ano, com o incremento do pagamento do Auxílio Brasil de R$ 600 na economia, as varejistas voltem a recompor suas margens -ou seja, repassar todo o custo da inflação.

"Ao mesmo tempo, as empresas tendem a absorver a redução do custo do frete, proporcionada pela queda no preço dos combustíveis", diz o economista.

A pesquisa da Economatica, uma das maiores provedoras de informações financeiras do país, levou em conta a classificação setorial internacional NAICs Nível 1, onde se encontram a maior parte das varejistas de capital aberto.

As empresas Americanas, C&A, Dimed (dona da rede de farmácias Panvel), Enjoei, Magazine Luiza, Pague Menos, RaiaDrogasil e Via (Casas Bahia e Ponto) não reduziram suas margens no segundo trimestre. Dessas 8, porém, 3 apresentaram queda na receita líquida (Via, Magazine Luiza e Americanas) e 3 registraram prejuízo no período (Magazine Luiza, Americanas e Enjoei).

Na opinião do consultor em varejo Alberto Serrentino, sócio da Varese Retail, o principal movimento do segundo trimestre foi o aperto na margem líquida (percentual do lucro líquido em relação à receita total).

"Grande parte das empresas de varejo têm algum nível de despesa financeira associada a crédito aos clientes ou ao financiamento da operação", diz Serrentino. "Com a disparada dos juros, essa despesa financeira ficou muito maior e comprime a margem líquida."

No caso de grandes varejistas como o Carrefour, que viu a margem bruta diminuir no segundo trimestre do ano, Serrentino acredita que foi uma medida estratégica. "Segurar os preços foi claramente uma iniciativa para não perder participação de mercado", afirmou.

Procurado, o Carrefour não atendeu ao pedido de entrevista. Também não atenderam a reportagem as empresas Grupo Pão de Açúcar, Assaí, Renner, Marisa, SBF/Centauro, IMC, Track & Field e Grupo Mateus.

5G E COPA

A varejista eletrônicos Allied confirma que o maior problema tem sido o custo do dinheiro. "O custo do crédito foi o principal fator para comprimirmos as margens no primeiro e no segundo trimestres", afirma Silvio Stagni, presidente da Allied.

Segundo ele, a inflação dos eletrônicos é lastreada em dólar e, apesar de alguns picos de alta da moeda este ano, não houve uma grande variação em relação ao ano passado.

Ao mesmo tempo, o mercado de eletrônicos apresentou um desempenho excepcional nos anos de 2020 e 2021, lembra, por conta do aumento das atividades online. "Agora voltamos ao patamar de 2019, com a diferença de enfrentarmos uma taxa de juros bem maior."

A empresa tem um ecommerce próprio (Mobcom), é revendedora autorizada das marcas Apple, Google, HyperX e Xiaomi em grandes marketplaces, e opera 160 pontos de venda da Samsung no país.

Silvio Stagni, 61, presidente da Allied Tecnologia Divulgação Homem grisalho de camisa azul e calça jeans sorri, encostado a uma parede azul **** O executivo, porém, está otimista com o segundo semestre. "A chegada do 5G movimenta o mercado de smartphones, aumentando o tíquete médio da categoria", afirma.

Como exemplo, ele cita o levantamento da consultoria GfK, que apontou preço médio de R$ 1.350 para um smartphone 4G, enquanto um aparelho 5G custa R$ 3.055.

Stagni lembra que em novembro ocorre o tradicional melhor momento para as vendas de TVs, a Copa do Mundo, que neste ano será realizada no Catar.

"Infelizmente, a data coincide com outro momento de peso para os eletrônicos, a Black Friday", afirma. "A gente acaba perdendo uma data, mas, de qualquer forma, as margens devem começar a melhorar."

Para o consultor em varejo Eugênio Foganholo, da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, neste terceiro trimestre o consumo ainda está andando de lado.

"Mas os últimos meses do ano devem se mostrar bem aquecidos", diz Foganholo. "Depois das eleições, com a definição de um novo mandato presidencial, independentemente de quem assume, o consumidor vai ficar com a confiança renovada", afirma o consultor.

Na visão de Foganholo, segmentos que demandam financiamento, como eletrônicos e material de construção, devem ser mais favorecidos. "Ainda que, objetivamente, não haja muito dinheiro disponível", diz.

Carlos Vieira, da Economatica, concorda que as festas de fim de ano e o aumento da geração de emprego devem impulsionar o varejo no último trimestre, com destaque para os segmentos de vestuário e cosméticos. "Mesmo que estes empregos não venham acompanhados de aumento da renda."

Já Alberto Serrentino acredita que a perspectiva do segundo semestre depende do cenário de juros para o próximo ano. "A inflação já está cedendo, embora com base em medidas temporárias e considerando a variável combustíveis", diz.

"Mas se o preço do combustível seguir um movimento de acomodação e queda no mercado internacional, e caso não haja qualquer outra turbulência global que provoque novos surtos inflacionários, a inflação brasileira pode observar uma tendência de queda, com recuo nos juros", afirma. "O que melhoraria imediatamente o cenário para o varejo, com um alívio nas despesas financeiras."