Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    -1,85 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.799,00
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.851,34
    -139,02 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.498,75
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4673
    -0,0114 (-0,21%)
     

Auxílio Brasil gera distorções em cadastros de famílias, sugere TCU a Alckmin

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Bruno Dantas, disse nesta quarta-feira (16) que o formato do Auxílio Brasil estimula que famílias se "fracionem" no cadastro do programa para obter pagamentos maiores.

Após encontro com o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), o ministro Dantas também fez elogios ao Bolsa Família.

"O TCU está concluindo, provavelmente nas próximas semanas, a avaliação mais completa que já fizemos do programa Auxílio Brasil, mostrando inclusive a comparação entre o Bolsa Família e o Auxílio, a partir do desenho e critério de elegibilidade", afirmou o presidente do TCU à imprensa.

Segundo Dantas, algumas das conclusões são no sentido de que o Auxílio Brasil tem incentivado o fracionamento de núcleos familiares para o recebimento de mais recursos. "Prejudica famílias que não podem ser decompostas, como mães com dois ou três filhos pequenos", disse.

Alckmin afirmou que a análise do TCU reforça a importância de garantir o acréscimo de R$ 150 por filho menor de seis anos no pagamento das famílias.

"Recebe o mesmo valor uma pessoa sozinha e uma mãe com três crianças, por isso a complementação do Bolsa Família", disse o vice-presidente eleito.

A equipe do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), planeja reformular o Auxílio Brasil e voltar a usar o nome de Bolsa Família, programa que marcou as gestões anteriores do petista. Para isso, aliados de Lula vão propor a PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição para retirar R$ 175 bilhões em despesas previstas com o programa de transferência de renda do alcance do teto de gastos.

Dantas entregou à equipe do governo de transição relatórios sobre conclusões de auditores do tribunal a respeito de programas do governo e das contas da Presidência. Os documentos também avaliam ações promovidas pelo governo Jair Bolsonaro (PL) durante a pandemia.

Esses relatórios já estavam disponíveis no site do TCU. São quatro documentos: 1) "Lista de Alto Risco da Administração Pública Federal", 2) "Relatório de Fiscalização em Políticas e Programas de Governo de 2021", 3) "Contas do Governo 2021" e 4) "TCU e o Desenvolvimento Nacional".

"Existem questões muito importantes do quadro fiscal brasileiro. Um dos pontos que destacamos é a necessidade urgente de se estabelecer critério para as isenções tributárias. O Brasil tem mais de 4% do PIB comprometido com isenções, isso é o dobro do que em 2002", disse Dantas.

Também chamados pelo Ministério da Economia de gastos tributários, os subsídios reduzem a arrecadação pública a partir de exceções nos impostos criadas para diminuir custos ao consumidor ou ao produtor. A conta vai passar pela primeira vez a marca de R$ 450 bilhões em 2023, um avanço nominal de 49% desde 2019 (primeiro ano de governo).

Dantas também fez elogios ao programa Bolsa Família após se reunir com Alckmin.

"Apresentamos conclusões nesse relatório mostrando que com volume de recurso menor o programa Bolsa Família consegue reduzir a pobreza no Brasil em percentual muito maior que qualquer outro programa", disse o presidente do TCU.