Mercado fechado

Autoridades do Fed permanecem firmes sobre necessidade de tornar política monetária mais restritiva

Fachada do Federal Reserve, em Washington

Por Lindsay Dunsmuir e Dan Burns

(Reuters) - Duas das autoridades mais inclinadas a estímulos do Federal Reserve sinalizaram nesta terça-feira que elas e seus colegas continuam firmes e "completamente unidos" em elevar os juros dos Estados Unidos para um nível que irá restringir de forma mais significativa a atividade econômica e controlar a inflação mais alta desde os anos 1980.

Além disso, uma delas - a presidente do Fed de San Francisco, Mary Daly - disse estar "intrigada" com os preços do mercado de títulos que refletem expectativas de investidores de que o banco central passe a cortar os juros no primeiro semestre do próximo ano.

Pelo contrário, ela disse que sua expectativa é de que o Fed continue aumentando os juros por enquanto e depois os mantenha "por algum tempo", observações que desencadearam uma onda de vendas em mercados futuros de juros.

O chair do Fed, Jerome Powell, disse na semana passada que o banco central poderá considerar outro aumento "extraordinariamente grande" nos juros em sua reunião de 20 e 21 de setembro, com as autoridades buscando orientação para sua tomada de decisão em mais de uma dúzia de pontos críticos em dados que abrangem inflação, emprego, gastos dos consumidores e crescimento econômico entre agora e a data do encontro.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse nesta terça-feira que se a inflação não diminuir até lá, ele defenderá tal movimento.

"Se você realmente pensar que as coisas não estão melhorando ... 50 (pontos base) é uma avaliação razoável, mas 75 também poderia estar bem. Duvido que mais seria necessário", disse Evans a repórteres durante uma sessão de perguntas e respostas na sede do banco regional em Chicago, descartando efetivamente a perspectiva de aumento de 1 ponto percentual completo no próximo mês.

Evans, entretanto, acrescentou que ele ainda espera que, se a inflação finalmente começar a diminuir, o banco central poderá prosseguir com um aumento de 50 pontos-base no próximo mês, seguido por uma série de aumentos de 25 pontos-base até a primeira parte do próximo ano.

O banco central aumentou sua taxa de empréstimo em mais 0,75 ponto percentual na semana passada, para uma faixa entre 2,25% e 2,50%. O Fed aumentou os juros em 2,25 pontos desde março, já que as autoridades têm sido cada vez mais agressivas na tentativa de anular uma inflação teimosamente alta, mesmo quando os receios de recessão se intensificam.

Evans observou que acha que a taxa de juros do Fed terá que subir para entre 3,75% e 4,00% até o final do próximo ano, mas advertiu contra uma trajetória muito rápida para chegar lá, caso o banco tenha que recuar inesperadamente diante de uma mudança no cenário.

Daly foi ainda mais enfática ao repudiar os preços nos mercados futuros de juros que sugerem uma mudança abrupta na direção do Fed no início de 2023, dizendo que o trabalho do banco central de reduzir a inflação "não está nem perto" do fim.

"Essa não seria minha perspectiva", disse ela em uma entrevista transmitida no LinkedIn e feita por uma âncora da CNBC. "Minha perspectiva, ou a perspectiva que eu acho mais provável, é realmente que aumentaremos a taxa de juros e depois vamos mantê-la por algum tempo no nível que acharmos apropriado."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos