Mercado abrirá em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,86
    -0,25 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.776,20
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.391,58
    -961,19 (-3,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,20
    -16,62 (-2,90%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,68 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.498,55
    -17,20 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.704,07
    -218,38 (-1,10%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.437,50
    -55,75 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2473
    -0,0119 (-0,23%)
     

Autoridades do EUA tentam impedir Meta de comprar aplicativo de realidade virtual

A Comissão Federal de Comércio (FTC, sigla em inglês) dos Estados Unidos anunciou, nesta quarta-feira (27), que entrou com ações legais contra a Meta para impedir a compra da Within Unlimited e seu aplicativo de exercícios físicos em realidade virtual, o Supernatural.

A agência federal considera que a aquisição é "ilegal" porque ameça limitar as opções dos consumidores e aumentar os preços. A gigante das redes sociais, proprietária do Facebook e Instagram, também é dominante neste mercado.

"No lugar do jogo da concorrência, a Meta está tentando comprar seu caminho ao topo", disse John Newman, vice-diretor do departamento de concorrência da FTC, em comunicado.

"A Meta já tem um aplicativo de fitness VR de sucesso e tem capacidade de competir com o popular aplicativo Supernatural da Within. Mas a Meta optou por comprar participação de mercado em vez de ganhá-la por mérito. É uma aquisição ilegal", acrescentou.

Segundo a FTC, a operação frearia a inovação nesse setor.

"O processo da FTC se baseia em ideologia e especulação, não em evidências", respondeu um porta-voz da empresa consultado pela AFP.

"A ideia de que essa aquisição possa prejudicar a concorrência em um campo tão dinâmico (...) como o exercício físico online simplesmente não é plausível", afirmou.

O grupo californiano já estava na mira das autoridades reguladoras de concorrência. A empresa enfrenta inúmeras investigações e denúncias por abuso de posição dominante nos mercados das redes sociais e da publicidade online.

A FTC acusa a Meta de monopólio ilegal no mercado das "redes sociais pessoais". Além disso, acusa o grupo de ter "comprado ou enterrado ilegalmente novos inovadores quando sua popularidade se tornou uma ameaça existencial”, em referência ao Instagram e o WhatsApp.

No ano passado, o Facebook mudou seu nome para Meta para marcar uma virada em direção ao "metaverso", um universo paralelo em realidade aumentada e virtual apontado como o futuro da internet.

E, no final de outubro, a empresa assinou um acordo com a Within para comprar a start-up e seu aplicativo, que milhares de pessoas já utilizam através dos visores Oculus VR, que também pertencem à Meta. O valor da transação não foi divulgado.

"Juntos, exploraremos formas de melhorar os dispositivos para facilitar o exercício na realidade virtual e incentivar outros desenvolvedores a projetar novas experiências de condicionamento físico para a realidade virtual", disse a Oculus em comunicado.

"Acreditamos que o esporte vai triunfar (no metaverso), o que permitirá que vários aplicativos fitness de terceiros tenham sucesso."

Está previsto que a Meta publique seus resultados trimestrais nessa quarta-feira, que serão acompanhados de perto: no final do ano passado, o grupo perdeu usuários no Facebook pela primeira vez e batalha para fazer frente à concorrência do TikTok.

juj/led/ll/dga/ap/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos