Mercado fechará em 11 mins
  • BOVESPA

    101.909,54
    +1.357,10 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.579,28
    -89,97 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,65
    +0,62 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.906,60
    -22,90 (-1,19%)
     
  • BTC-USD

    13.041,63
    +1.984,62 (+17,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,10
    +7,00 (+2,73%)
     
  • S&P500

    3.453,21
    +17,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    28.370,99
    +160,17 (+0,57%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.651,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6148
    -0,0352 (-0,53%)
     

Autoridades da Casa Branca minimizam chances de auxílio contra coronavírus

Por Richard Cowan e Susan Cornwell
·2 minutos de leitura

Por Richard Cowan e Susan Cornwell

WASHINGTON (Reuters) - Importantes funcionários da Casa Branca minimizaram a possibilidade de mais alívio em resposta ao coronavírus, enquanto a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, criticou o presidente Donald Trump por se afastar das negociações para um acordo abrangente.

O chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, disse a repórteres que "as negociações de estímulo estão suspensas", ecoando o anúncio de Trump de terça-feira, e afirmou em entrevista à Fox News que o governo apoiava uma abordagem mais fragmentada para ajudar alguns setores da economia.

Mas, em entrevista separada para a CNBC, o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que essa abordagem provavelmente também não funcionará.

"No momento, em termos de curva de probabilidade, isso provavelmente seria assunto de baixa probabilidade."

Na terça-feira, depois de suspender as negociações sobre um pacote abrangente de resposta ao coronavírus, Trump escreveu no Twitter que o Congresso deveria repassar dinheiro para companhias aéreas, pequenas empresas e distribuir cheques emergenciais de 1.200 dólares para os norte-americanos.

Pelosi disse ao programa "The View", da ABC, que os tuítes de Trump foram um esforço para se recuperar de "um erro terrível". Contudo, ela deixou de lado perguntas sobre a elaboração de um pacote de auxílio mais enxuto, ainda preferindo uma versão abrangente.

"É muito importante para nós chegarmos a este acordo", disse ela.

Pelosi, no entanto, pediu nesta quarta-feira ao secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que analisasse um projeto de lei independente no valor de 25 bilhões de dólares em auxílio às companhias aéreas que os democratas tentaram fazer avançar na semana passada, escreveu seu porta-voz no Twitter.

Mnuchin, que havia sido parceiro de negociação de Pelosi enquanto eles tentavam chegar a um pacote abrangente nos últimos dias, perguntou a ela sobre a possibilidade de uma lei independente para as companhias aéreas em um telefonema nesta quarta-feira.

Quanto à sugestão de Trump sobre os cheques de estímulo, Pelosi disse à ABC: "Tudo o que ele sempre quis na negociação era enviar um cheque com seu nome impresso".

(Por Lisa Lambert e Susan Heaven)