Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.684,77
    -7.534,36 (-12,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Autoridades chinesas convocam 11 empresas de tecnologia para discutir segurança

·1 minuto de leitura
Em novembro, os reguladores chineses impediram a entrada na Bolsa, avaliada em 34 bilhões de dólares, do Ant Group, a filial de pagamentos online do Alibaba

As autoridades chinesas convocaram 11 empresas de tecnologia, incluindo as gigantes da internet Alibaba, Tencent e ByteDance, para falar sobre a segurança on-line, anunciou nesta quinta-feira o órgão regulador do país.

Na China, as leis relativamente flexíveis sobre dados pessoais e a ausência de concorrentes estrangeiros permitiram o surgimento de gigantes da tecnologia.

Mas nos últimos meses Pequim se mostrou mais firme com o setor e na última semana 12 empresas receberam multas simbólicas por suposta violação das normas de monopólio.

Em novembro, os reguladores chineses impediram no último momento a entrada na Bolsa, avaliada em 34 bilhões de dólares, do Ant Group, a filial de pagamentos online do Alibaba.

Um mês depois iniciaram uma investigação sobre as práticas comerciais do Alibaba, consideradas anticompetitivas.

As discussões entre a agência reguladora e as 11 empresas abordaram as funções de voz nas redes sociais "que ainda não superaram os procedimentos de avaliação de segurança", afirmou a Administração do Ciberespaço da China (CAC) em um comunicado, sem revelar mais detalhes.

No mês passado, o governo proibiu o Clubhouse, aplicativo americano que permite a participação em conversas ao vivo, apenas por meio de convite.

A reunião também abordou a preocupação com o "deepfake", tecnologia que manipula os vídeos para parecerem genuínos, mas que retratam eventos ou discursos que nunca aconteceram.

O objetivo da reunião, que não teve a data divulgada, era assegurar que as empresas em questão cumprem a legislação em vigor e adotam "medidas de correção eficazes" em caso de necessidade, afirmou a CAC.

Além dos gigantes da internet Alibaba, Tencent e ByteDance (a empresa matriz do TikTok), a fabricante de smartphones Xiaomi e o aplicativo de vídeos curtos Kuaishou também estão entre as empresas convocadas pela agência.

bys/rox/bar/clp/pc/fp