Mercado fechará em 51 mins
  • BOVESPA

    101.927,53
    +1.375,09 (+1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.537,56
    -131,69 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,61
    +0,58 (+1,45%)
     
  • OURO

    1.906,00
    -23,50 (-1,22%)
     
  • BTC-USD

    13.056,26
    +1.999,25 (+18,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,54
    +7,44 (+2,90%)
     
  • S&P500

    3.451,91
    +16,35 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    28.359,03
    +148,21 (+0,53%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.652,50
    -38,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5966
    -0,0534 (-0,80%)
     

Autoridades do BC reforçam cenário tranquilo para a inflação

Por Gabriel Ponte
·2 minutos de leitura

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central voltou a reforçar suas projeções nesta quinta-feira de um cenário tranquilo para a inflação doméstica e reiterou que, por razões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para cortar a Selic, caso existente, deve ser pequeno.

Em apresentação em evento promovido pela XP Investimentos e Goldman Sachs, o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, destacou que futuros ajustes no atual nível de estímulo monetário, caso ocorram, dependeriam da percepção sobre a trajetória fiscal, bem como novas informações que alterassem a atual avaliação do Comitê de Política Monetária (Copom) quanto à inflação prospectiva.

Também em apresentação, a diretora de Assuntos Internacionais do BC, Fernanda Nechio, ressaltou que projeções do BC são de inflação abaixo da meta no horizonte relevante para a política monetária, que abarca 2021 e, em menor grau, 2022.

Ela frisou ainda que o Copom não pretende reduzir o grau de estímulo monetário a menos que as expectativas de inflação, bem como suas projeções de inflação em seu cenário base, estejam suficientemente próximas da meta de inflação.

Em setembro, o Copom manteve a Selic em 2% ao ano. A próxima reunião do colegiado acontece nos dias 27 e 28 deste mês.

De acordo com o último Boletim Focus, que contém as estimativas colhidas pelo BC junto a economistas, a expectativa é de uma taxa básica de juros fechando o ano no atual patamar.

Já a mediana das projeções para a inflação aponta para um IPCA de 2,47% neste ano, aumento de 0,35 ponto percentual ante a estimativa da semana anterior, mas ainda distante do centro da meta de inflação. Para 2021 e 2022, as expectativas do Focus são de IPCA de 3,02% e 3,5%.

A meta de inflação para 2020 é de 4%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Para 2021 e 2022, as metas são 3,75% e 3,5%, respectivamente, sempre com banda de 1,5 ponto.