Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,65
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.784,10
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.813,80
    +332,29 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.382,50
    +64,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2741
    -0,0656 (-1,03%)
     

Autoridade de saúde alemã considera plano anticovid insuficiente

·2 min de leitura
Lothar Wieler, presidente do Instituto Robert Koch (RKI), fala à imprensa após reunião sobre a pandemia de covid-19, em Berlim, em 19 de novembro de 2021 (AFP/Odd ANDERSEN)

As restrições a serem aplicadas às pessoas que não foram vacinadas contra a covid-19 na Alemanha não "serão suficientes" para deter a nova onda de infecções - alertou o presidente do instituto de vigilância sanitária Robert Koch, nesta sexta-feira (19).

"Na situação atual, isso não será suficiente", considerou Lothar Wieler durante entrevista coletiva.

Mais de 50 mil novos casos de covid-19 foram registrados nas últimas 24 horas no país.

O responsável defendeu que os grandes eventos devem ser proibidos e que as potenciais fontes de infecção, como bares e restaurantes mal arejados, devem ser suspendidas. Medidas para reduzir os contatos também devem ser adotadas.

"Devemos recorrer ao freio de emergência agora", frisou, exortando as pessoas a ficarem "em casa sempre que possível".

"Estamos em uma situação de emergência nacional", disse o ministro da Saúde, Jens Spahn, na mesma coletiva.

Questionado sobre a possibilidade de um "confinamento" generalizado no país, como a Áustria acaba de decretar, Spahn destacou que essa eventualidade ainda não foi cogitada, mas que, mesmo assim, "nada deve ser descartado".

Na quinta-feira (18), a chanceler Angela Merkel e os líderes regionais decidiram que as pessoas que não foram vacinadas contra a covid-19 serão proibidas de acessar locais públicos, enquanto o limite de hospitalizações exceder três pacientes com covid-19 para cada 100.000 habitantes. Esta situação já está ocorrendo em 12 dos 16 estados que compõem o país.

De acordo com essa regra, a apresentação de um teste negativo não será suficiente, se a pessoa não estiver vacinada. A medida já estava sendo aplicada na capital do país, Berlim, e agora será estendida para todo território.

Quando o nível de hospitalizações superar o valor de seis, vacinados e curados de covid deverão, além de apresentar o certificado, contar com um teste negativo para terem acesso a uma lista de estabelecimentos. Também não está descartado o fechamento do comércio, assim como de bares e restaurantes.

As escolas continuarão abertas, mas os alunos deverão se submeter a testes de vez em quando.

No encontro, também foi decidido que a população deverá trabalhar em casa sempre que possível e que o passe sanitário será necessário para o uso do transporte público, assim como no local de trabalho.

Na Alemanha, apenas 67,9% da população tem o esquema de vacinação completo, de acordo com os últimos dados do RKI.

A Câmara Alta do Parlamento (Bundesrat) aprovou nesta sexta-feira (19) a aplicação destas medidas, ao adotar uma nova lei de proteção contra as infecções. A legislação foi apresentada pelos social-democratas (SPD), Verdes e Liberais, que negociam atualmente a formação de um novo Executivo.

ilp/mat/pz/jvb/me/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos