Mercado fechará em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    127.880,41
    -176,81 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.935,56
    -267,24 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,89
    +0,85 (+1,20%)
     
  • OURO

    1.776,20
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    36.436,38
    -2.652,20 (-6,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    898,65
    -41,29 (-4,39%)
     
  • S&P500

    4.182,45
    -39,41 (-0,93%)
     
  • DOW JONES

    33.432,91
    -390,54 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9803
    +0,0178 (+0,30%)
     

Autora do ‘womenomics’ quer levar ESG a startups japonesas

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Após 30 anos no Japão, a ex-vice-presidente do Goldman Sachs Kathy Matsui, conhecida por pesquisas que mudaram as políticas públicas sobre as mulheres no trabalho, está lançando um fundo de capital de risco que pode ajudar a colocar algumas de suas ideias em prática.

Matsui, que deixou o Goldman Sachs no final de 2020, fez uma parceria com três outras executivas com experiência em finanças para montar um fundo que visa investir US$ 150 milhões em setores como saúde, fintechs, trabalho da próxima geração e educação, bem como meio ambiente. O fundo MPower Partners, uma raridade no Japão por ser liderado por mulheres, quer garantir altos retornos ao mesmo tempo em que transmite às startups valores ambientais, sociais e de governança, ou ESG na sigla em inglês, segundo Matsui.

“Nossa tese é que, para as startups japonesas realmente se tornarem globais e crescerem, um dos elos que faltam é o ESG”, disse em entrevista na semana passada. “Acreditamos firmemente que, ao integrar o ESG em suas estratégias de negócios, boas empresas podem se tornar grandes empresas e com crescimento sustentável no futuro.”

Creditada por cunhar o termo “Womenomics”, algo como economia das mulheres em inglês, Matsui publicou uma série de relatórios ao longo de 20 anos detalhando os benefícios econômicos de empoderar as mulheres, à medida que a força de trabalho do Japão envelhece e encolhe. Embora o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe tenha apoiado as ideias de Matsui, o país ficou muito aquém da meta de ter mulheres em 30% dos cargos de gestão até 2020, ano em que Abe deixou o cargo. O Japão ficou em 120º lugar no índice Gender Gap do Fórum Econômico Mundial para 2021.

O mercado de investimento de risco do Japão se expandiu rapidamente nos últimos anos, mas permanece pequeno em comparação com os EUA e com a China, disse Matsui. O novo fundo terá como objetivo investir dois terços do capital em startups de crescimento a estágio avançado no Japão, acrescentou, e cerca de 30% em startups em estágio inicial no exterior.

A parte da governança no ESG pode ser interpretada para incluir questões como garantir a diversidade nos conselhos corporativos, algo que as empresas japonesas muitas vezes não conseguem alcançar. As mulheres representavam apenas 10,7% dos cargos do conselho nas maiores empresas de capital aberto do Japão em 2020, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, abaixo da média de 26,7% da OCDE.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos