Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.220,86
    +2.213,81 (+4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Autor da ação que criminalizou a homofobia, advogado Paulo Iotti vê crime na postagem do jogador Maurício Souza

·2 min de leitura

Mesmo depois de ter tido seu contrato com Minas Tênis Club rescindido, na última quarta-feira, Maurício Souza manteve as postagens de teor homofóbico nas redes sociais. Em seu perfil no Instagram, que conta com mais de 279 mil seguidores, ainda estão lá as publicações tecendo críticas à comunidade LGBTQIA+, como a que fez na do beijo entre heróis da DC Comics. "A é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar…", escreveu o jogador de vôlei. Segundo o Doutor em Direito Constitucional Paulo Iotti, advogado que moveu as ações que fizeram o STF reconhecer a homotransfobia como crime de racismo, as postagens do atleta configuram crime de homofobia, passível de punição.

”A fala do jogador Maurício Souza configura crime de homofobia, porque ele insinuou que uma história em quadrinhos representar um herói como homossexual ou bissexual nos levaria a uma situação social problemática. É incitação ao preconceito que configura crime de racismo nos termos do art. 20 da Lei 7716/89, lembrando que o STF reconheceu a homotransfobia como crime de racismo”, diz Paulo Iotti.

Veja também: Johnny Massaro e professor amigo de infância assumem namoro de oito meses: 'Amor da minha vida'

Ao mesmo tempo, o advogado vê como positivas a mobilização em torno do tema e a proporção que o assunto tomou nos últimos dias: ”Nao deixa de ser um avanço. Sem dúvidas, foi importante patrocinadores pressionarem o Minas a punir o jogador de discurso homofóbico/bifóbico. Porque além de o Direito ter limites e o Judiciário demorar anos para ter decisões definitivas, é importante que a sociedade consiga resolver problemas sociais sem necessidade de um juiz ou uma juíza impor alguma solução”.

O desligamento do jogador ocorreu após os principais patrocinadores cobrarem por uma atitude. Maurício chegou a fazer uma retratação pública após a situação. A mensagem, porém, foi compartilhada apenas pelo Twitter, onde ele tem poucos seguidores. Nada pelo Instagram. "Pessoal, após conversar com meus familiares, colegas e diretoria do Clube, pensei muito sobre as últimas publicações que eu fiz no meu perfil. Estou vindo a público pedir desculpas a todos a quem desrespeitei ou ofendi, esta não foi minha intenção", escreveu o atleta no microblog.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos