Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,08
    +0,25 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.686,50
    -14,20 (-0,83%)
     
  • BTC-USD

    46.694,52
    -3.515,09 (-7,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    933,42
    -53,79 (-5,45%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.541,99
    -388,12 (-1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.326,25
    -128,75 (-1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Autonomia do BC melhora credibilidade da política monetária e sinaliza progresso na agenda de reformas, diz Moody's

Luana Maria Benedito
·1 minuto de leitura
Sede do Banco Central, em Brasília

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - A aprovação pelo Congresso do projeto que confere autonomia formal ao Banco Central indica melhora da credibilidade da política monetária dos últimos anos e sinaliza progresso na agenda de reformas estruturais do governo, disse nesta quinta-feira Samar Maziad, vice-presidente da agência de classificação de risco Moody's.

Simbolicamente pinçada como a primeira medida a ser votada sob a gestão do novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a proposta --que visa garantir à instituição financeira que execute suas tarefas sem risco de interferência político-partidária-- segue à sanção presidencial.

Nenhuma das tentativas de alterar o texto obteve votos suficientes e, por isso, ele teve sua tramitação concluída no Congresso Nacional.

"Nossa perspectiva é a de que avançar com reformas fiscais para assegurar o cumprimento do teto de gastos continua sendo fundamental para a manutenção do perfil de crédito do Brasil", acrescentou Maziad, que também é analista sênior para o rating soberano do Brasil.

A Moody's atribui rating "Ba2" para o crédito soberano do Brasil, abaixo do chamado grau de investimento, com perspectiva estável.