Automotivo puxa queda na indústria de SP, RJ, PR e RS

As perdas da indústria automotiva em 2012 prejudicaram Estados produtores e explicam os principais impactos negativos sobre o total da indústria nacional, informou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os recuos em São Paulo (-3,9%), Rio de Janeiro (-5,6%), Paraná (-4,8%) e Rio Grande do Sul (-4,6%) foram todos puxados pela menor fabricação de veículos automotores no ano passado, notou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. As quatro regiões deram a maior contribuição para a queda de 2,7% da produção industrial em 2012.

"A atividade de veículos automotores foi a que mais pressionou o total nacional. As quatro regiões de maior impacto (sobre o total da indústria) têm na base de sua queda também o setor automotivo, com produção de caminhões, automóveis e autopeças", afirmou Macedo.

A exceção foi Minas Gerais, com comportamento marcante também da indústria automobilística, onde a produção de automóveis fechou 2012 com crescimento, o que fez o Estado escapar do vermelho no ano passado. A indústria mineira teve alta de 1,4% em 2012, a principal contribuição positiva para a taxa nacional. "Em Minas Gerais, a produção de automóveis não caiu, fechou o ano no positivo", ressaltou o gerente do IBGE.

Segundo Macedo, a estratégia das montadoras instaladas em cada região explica as diferenças e influencia muito no resultado final do Estado. "É muito da estratégia, do comportamento, de cada empresa de cada local", afirmou. "Na produção de automóveis no Paraná se observa muito o comportamento negativo nos últimos meses ligado à empresa inserida nesse setor naquele local. No Paraná, há estratégia da empresa que produz lá de paralisar a produção para ampliar seu parque de produção. Então, isso afeta o resultado da produção industrial local", explicou o gerente do IBGE.

Em Minas Gerais, onde há um informante para a produção de automóveis, a estratégia da empresa foi manter a fabricação de veículos no local, o que impulsionou a produção regional. "Pode ser estratégia de mercado de aumentar a produção de determinada marca", disse Macedo.

Em 2012, houve pressão negativa da queda na produção de caminhões e automóveis em São Paulo, assim como no Rio de Janeiro. No Paraná, houve perdas na linha de produção de caminhões, caminhão-trator, autopeças e chassis de caminhões. No Rio Grande do Sul, houve impacto de reboques e automóveis.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,10980,000,00%
    USDBRL=X
    3,2859+0,0038+0,12%
    EURBRL=X
    0,9461-0,0011-0,12%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    31,51-0,14-0,44%
    VALE5.SA
    15,18-0,38-2,44%
    PETR4.SA
    4,93-0,10-1,99%
    USIM5.SA
    5,86+0,15+2,63%
    GOAU4.SA
    16,40-0,52-3,07%
    LAME4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    10,89+1,29+13,44%
    TEKA4.SA
    4,18+0,45+12,06%
    BEES4.SA
    4,24+0,43+11,29%
    LFFE3.SA
    7,41+0,71+10,60%
    CRPG5.SA
    28,00+2,60+10,24%
    BRSR3.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    16,01-3,99-19,95%
    ITEC3.SA
    1,14-0,25-17,99%
    IGBR3.SA
    0,69-0,11-13,75%
    BBTG12.SA
    29,00-4,00-12,12%
    CEED3.SA
    3,33-0,45-11,90%
    CEDO4.SA