Mercado abrirá em 6 h 4 min

Autoconfiança e foco do administrador ajudam a preservar empresas de perrengues, diz CEO do Enjoei

·1 min de leitura

As dificuldade e situações desafiadoras são inerente à vida de um empreendedor. Mas, de acordo com o CEO do Enjoei, estar preparado para as adversidades é fundamental para mitigar o impacto delas no negócio. “É sobre como você lida e gerencia incertezas sem perder a ambição, o foco e o sonho”, afirma Tiê Lima.

Entre os perrengues vivenciados pelo empresário estão uma greve de caminhoneiros durante a qual ele precisou levantar capital; mudanças no cenário político e, claro, o início da pandemia do coronavírus e todas a insegurança que o mundo dos negócios experimentou naquele momento.

“Existe este desafio muito grande do barulho ao redor do que a gente está fazendo: da companhia, do mercado, dos investidores e tudo mais”, diz o executivo. “São todos agentes muito importantes da formação da companhia. Mas a decisão e onde está depositada a crença de que o negócio vai prosperar é na execução, na administração”, explica o CEO do Enjoei.

O Enjoei foi fundado em 2009 por Tiê Lima e sua esposa Ana Luiza McLaren. De lá pra cá, a empresa se transformou em um negócio do mercado circular, como uma plataforma que conecta pessoas que querem vender produtos usados a consumidores interessados em comprá-los.

Em 2020, a Enjoei (ENJU3) fez um IPO, no qual conseguiu quando a empresa conseguiu captar R$ 1,13 bilhão. Apesar do prejuízo nos três primeiros trimestres de 2021 (até o fechamento desta matéria, o balanço anual não havia sido divulgado), o Enjoei encerrou o ano com 1 milhão de compradores ativos e 1 milhão de vendedores na plataforma.