Mercado fechará em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,11
    +2,93 (+4,43%)
     
  • OURO

    1.786,80
    +10,30 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    57.238,84
    -820,06 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.467,35
    +24,58 (+1,70%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.163,02
    +103,57 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.387,00
    +236,50 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3252
    -0,0448 (-0,70%)
     

Autismo altera a substância branca do cérebro com o passar do tempo

·1 min de leitura

O autismo é uma condição complexa, que ainda atrai olhares, pesquisas e buscas por respostas da ciência. Inclusive, já ressaltamos aqui no Canaltech cinco coisas que ninguém te contou sobre o autismo. Nesta terça (23), um estudo — conduzido pela Yale University e publicado na Radiological Society of North America — indicou mudanças significativas na estrutura da substância branca do cérebro em adolescentes e adultos autistas.

Essas mudanças foram mais notáveis na região que facilita a comunicação entre os dois hemisférios do cérebro. Para entender melhor essa relação, os pesquisadores utilizaram uma técnica de ressonância magnética que mede a conectividade no cérebro, detectando como a água se move ao longo da substância branca (um conjunto de células com funções de apoio, sustentação, isolamento elétrico ou nutrição dos neurônios).

Autismo altera a substância branca do cérebro com o passar do tempo, sugere estudo da Yale University (Imagem: Fakurian Design/Unsplash)
Autismo altera a substância branca do cérebro com o passar do tempo, sugere estudo da Yale University (Imagem: Fakurian Design/Unsplash)

O grupo analisou dados clínicos de 583 pacientes e criou mapas para detectar as mudanças na substância branca. “Em adolescentes, vimos uma influência significativa do autismo. Em adultos, o efeito foi ainda mais pronunciado. Nossos resultados apoiam a ideia de conectividade cerebral prejudicada no autismo, especialmente em tratos que conectam os dois hemisférios", afirmam os pesquisadores.

Na prática, a ideia do grupo de cientistas da Yale University é ajudar a melhorar o diagnóstico precoce de autismo e fornecer biomarcadores objetivos potenciais para monitorar a resposta ao tratamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos