Mercado fechará em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    113.266,87
    +993,86 (+0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.529,57
    +8,14 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,61
    +0,71 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.943,70
    +4,50 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    23.194,01
    +9,96 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,98
    +8,19 (+1,58%)
     
  • S&P500

    4.045,05
    +27,28 (+0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.811,52
    +94,43 (+0,28%)
     
  • FTSE

    7.774,67
    -10,20 (-0,13%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.092,00
    +124,00 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5266
    -0,0204 (-0,37%)
     

Autópsias de vítimas da covid-19 mostram que doença se espalha por todo o corpo

Apesar da covid-19 ser, primariamente, uma doença respiratória, cuja infecção começa nas vias aéreas, seu espalhamento pelo corpo não conhece fronteiras, segundo diversos estudos iniciados durante a pandemia. Entre os órgãos afetados, estão os pulmões, o coração, o cérebro e também músculos e nervos, que podem abrigar o vírus por centenas de dias.

Cientistas do National Institutes of Health — NIH, Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos — confirmaram esses achados através de autópsias em vítimas do coronavírus. Publicado na revista científica Nature em dezembro do ano passado, o estudo resultante dos exames também pode nos ajudar a entender melhor a covid longa.

A covid-19 não afeta apenas o sistema respiratório: órgãos como cérebro, coração e os músculos também podem ser afetados, mais do que imaginávamos (Imagem: DC_Studio/envato)
A covid-19 não afeta apenas o sistema respiratório: órgãos como cérebro, coração e os músculos também podem ser afetados, mais do que imaginávamos (Imagem: DC_Studio/envato)

Na covid longa, o paciente sofre de sintomas como fadiga, confusão mental, névoa cerebral e fadiga por meses após a infecção inicial, então compreender o mecanismo de espalhamento da doença pelo corpo e sua persistência em diferentes órgãos é fundamental para encontrar soluções para a condição.

Vírus por todo o corpo

Para a análise, foram estudadas as autópsias de 44 pessoas não vacinadas, vindo a óbito entre abril de 2020 e março de 2021. Mais especificamente, os pesquisadores buscaram descobrir o nível de RNA mensageiro do SARS-CoV-2 em 85 locais e fluidos corporais diferentes, identificando presença e quantidade. Encontrar RNA significa que o vírus se replicou no órgão enquanto o indivíduo ainda vivia.

Destes locais e fluidos, 79 apresentaram sinais abundantes de replicação viral, mostrando que o patógeno se espalha por tecidos respiratórios e não-respiratório sem distinção, ainda que a infecção se comporte de maneiras diferentes em cada local. No cérebro, por exemplo, resquícios do vírus da covid-19 apareceram em uma autópsia feita 230 dias após começarem os sintomas.

O pulmão é o órgão mais afetado no início da infecção por covid-19, mas quem é mais danificado em estágios mais avançados são outros órgãos (Imagem: Annie Spratt/Unsplash)
O pulmão é o órgão mais afetado no início da infecção por covid-19, mas quem é mais danificado em estágios mais avançados são outros órgãos (Imagem: Annie Spratt/Unsplash)

Em termos do efeito causado pelo coronavírus, tanto o cérebro como outros órgãos alheios ao sistema respiratório não tiveram alterações tão significativas nos tecidos em comparação às lesões e inflamações pulmonares nas 2 primeiras semanas seguintes ao início dos sintomas. Já em períodos mais avançados da recuperação, os pulmões se mostraram menos infectados, enquanto outros órgãos e tecidos sofriam mais. Serão necessários estudos seguintes para descobrir as razões disso, mas a suspeita é que o sistema imune atue com mais vigor nos pulmões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: