Mercado fechará em 1 h 15 min
  • BOVESPA

    106.972,26
    -1.478,95 (-1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.353,10
    -89,11 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,44
    -0,71 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.666,00
    -4,00 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    19.368,36
    -162,76 (-0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,17
    -2,81 (-0,63%)
     
  • S&P500

    3.622,25
    -96,79 (-2,60%)
     
  • DOW JONES

    29.089,47
    -594,27 (-2,00%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.119,50
    -436,25 (-3,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2896
    +0,0570 (+1,09%)
     

Austrália quer ir de mega exportadora de carvão a potência verde

(Bloomberg) -- A Austrália finalmente começou a levar a sério o aquecimento global e todo tipo de investidores, desde grandes petrolíferas a magnatas da mineração, procuram uma maneira de capitalizar com a transformação.

Os sinais de mudança estão em toda parte. Um novo governo foi eleito, comprometendo-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa mais rapidamente; a maior rede elétrica do país tem um plano multibilionário para eliminar o carvão; e algumas das pessoas mais ricas do país, que fizeram fortuna com mineração e tecnologia, preparam enormes projetos de energia verde destinados a transformar a nação de produtora de combustíveis fósseis em fornecedora global de energia verde e de metais necessários para construir veículos elétricos.

Poucos países no mundo tem a capacidade de fazer uma diferença tão grande no combate às mudanças climáticas proporcionalmente à sua população. A dependência da Austrália de carvão e combustíveis fósseis, tanto para uso doméstico quanto para exportação, a tornou o maior emissora de carbono per capita no mundo desenvolvido. No entanto, segundo uma estimativa, o vasto país banhado de sol poderia gerar 5.000 exajoules de energia verde - mais de oito vezes a demanda global atual. Mesmo em avaliações mais conservadoras, a Austrália poderia suprir o mundo de energia.

“Estamos em um ponto de inflexão”, disse Will Symons, líder em clima e sustentabilidade para a região Ásia-Pacífico da Deloitte. “O desafio para nós é avançar no ritmo e em escala, e isso exigirá novas colaborações. Velocidade é tudo.”

Para empresas como a Tesla de Elon Musk, a gigante petrolífera BP e uma série de conglomerados japoneses, a Austrália oferece mais do que uma oportunidade de reduzir as emissões globais. Além de uma fonte potencial de energia verde, oferece uma plataforma única para desenvolver, testar e construir tecnologias graças ao clima, minerais e infraestrutura pronta do país. Essa combinação de recursos é especialmente atraente para empresas que buscam produzir hidrogênio verde, com financiamento e acordos de exportação vindos da Alemanha, Singapura, Coréia do Sul, Japão e Reino Unido.

Mesmo assim, a escala da tarefa é assombrosa. A economia da Austrália dependeu da extração e venda de seus minerais – especialmente carvão – por mais de um século. No ano passado, extraiu cerca de 400 milhões de toneladas do combustível fóssil mais poluente. No entanto, em um sinal de como a nação está mudando, o maior mercado de energia do país este mês chegou a um ponto em que a energia solar ultrapassou brevemente o carvão como a maior fonte de eletricidade.

Uma grande parte da mudança é política. A eleição nacional de maio não apenas colocou os trabalhistas no poder, mas também trouxe ganhos para o Partido Verde e vários legisladores independentes que fizeram campanha em plataformas ambientais.

O novo primeiro-ministro Anthony Albanese seguiu suas promessas eleitorais ao apresentar um projeto de lei sobre mudanças climáticas em 27 de julho com o objetivo de reduzir as emissões em 43% até 2030 em relação aos níveis de 2005.

“A Austrália está aberta para negócios de energia renovável, transmissão, armazenamento, para criar centenas de milhares de empregos”, disse o ministro de mudanças climáticas e energia, Chris Bowen, à Sky News Australia.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.