Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.095,06
    -444,73 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.397,21
    +715,02 (+1,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,25
    +1,50 (+2,51%)
     
  • OURO

    1.713,90
    -19,70 (-1,14%)
     
  • BTC-USD

    50.473,89
    +2.848,60 (+5,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,59
    +20,49 (+2,07%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.680,25
    -375,00 (-2,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7737
    -0,0884 (-1,29%)
     

Austrália e Facebook negociam após bloqueio de notícias

·2 minuto de leitura
Facebook e Austrália estão em uma batalha pela lei que tramita no Parlamento australiano para obrigar as empresas de tecnologia a pagar pelo compartilhamento de notícias da imprensa

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, conversou nesta sexta-feira (19) com representantes do governo australiano sobre o projeto de lei que pretende obrigar os gigantes da tecnologia a pagar a imprensa pelo uso de seus conteúdos.

O primeiro-ministro Scott Morrison afirmou que a Austrália não pretende se curvar às "ameaças".

Desde quinta-feira, os australianos não conseguem publicar links que levam a artigos de notícias, nem consultar as páginas no Facebook dos veículos de comunicação locais, que não podem compartilhar seus conteúdos.

O ministro australiano das Finanças, Josh Frydenberg, informou que conversou com Mark Zuckerberg nesta sexta-feira. As negociações prosseguirão no fim de semana.

"Nós falamos sobre assuntos que persistem e concordamos que nossas respectivas equipes devem analisá-los imediatamente", afirmou Frydenberg no Twitter.

O primeiro-ministro australiano disse em uma entrevista coletiva em Sydney que o bloqueio do Facebook é uma "ameaça".

Morrison afirmou que esta não é uma boa decisão e fez um apelo para que o Facebook "avance rapidamente" e "retorne à mesa".

O bloqueio é uma resposta ao projeto de lei do governo australiano que pretende obrigar o Facebook e o Google a remunerarem os meios de comunicação australianos pela publicação de suas notícias.

Para o primeiro-ministro, este projeto de lei, que será debatido na segunda-feira no Senado, está sendo observado por muitos governos no mundo.

Na quinta-feira, ele disse que conversou por telefone com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

"Isto desperta muito interesse", destacou.

O Facebook permanece firme em sua posição, pois considera que a lei é inaplicável e que a rede social não tem outra alternativa exceto impor as restrições.

Desde que foram impostas na quinta-feira, os números de pessoas que consultam os sites da mídia australiana caíram no país e no exterior, com redução de mais de 20% por dia, segundo a empresa que analisa os dados Chartbeat.

Mas os internautas não parecem ter trocado o Facebook pelo Google, que não registrou um aumento de tráfego significativo.

O bloqueio provocou a revolta de Camberra, pois afetou várias páginas do Facebook oficiais de serviços de emergência. A maioria voltou a funcionar depois de algumas horas.

O Google também havia ameaçado suspender sua ferramenta de busca na Austrália antes de recuar na quarta-feira, quando alcançou um acordo para pagar "quantias significativas" pelas notícias do grupo de imprensa News Corp., do empresário Rupert Murdoch.

al/arb/oho/juf/ahe/af/es/fp/tt