Mercado fechará em 5 h 38 min
  • BOVESPA

    101.316,04
    +393,15 (+0,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.485,35
    -20,35 (-0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,03
    +1,39 (+2,05%)
     
  • OURO

    1.950,10
    -32,70 (-1,65%)
     
  • Bitcoin USD

    27.944,23
    -10,62 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    612,52
    +7,47 (+1,24%)
     
  • S&P500

    3.983,31
    +31,74 (+0,80%)
     
  • DOW JONES

    32.474,43
    +229,85 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.545,74
    +141,89 (+1,92%)
     
  • HANG SENG

    19.258,76
    +258,05 (+1,36%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.802,50
    +114,00 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6509
    +0,0285 (+0,51%)
     

Austrália aprova MDMA e psilocibina para tratamento psiquiátrico

Na última sexta-feira (3), a Therapeutic Goods Administration — órgão responsável pela regulamentação de medicamentos na Austrália — aprovou a utilização de MDMA e psilocibina para tratamento de transtornos. As drogas já vinham protagonizando estudos a respeito em diversas partes do mundo, revelando um potencial notável, sob a ótica da comunidade científica.

Segundo o anúncio da instituição, a partir de 1º de julho de 2023, psiquiatras autorizados passam a poder prescrever MDMA para o tratamento de transtorno de estresse pós-traumático e psilocibina (cogumelos) para quadros de depressão severa, em que outros tratamentos não tenham tido êxito.

No entanto, o caminho para um psiquiatra obter autorização para prescrever essas drogas pode ser longo: primeiro, é necessário ser aprovado pelo esquema de prescrição autorizada da Austrália, conduzido por um comitê de ética em pesquisa humana. Depois, é necessário provar a justificação clínica do tratamento.

Por enquanto, o órgão responsável pela aprovação ainda não forneceu detalhes sobre os padrões mínimos de treinamento exigidos para que os psiquiatras se tornem autorizados. Em práticas psicodélicas indígenas, por exemplo, os treinamentos para trabalhar com essas substâncias levam de cinco a dez anos.

Outra questão é o custo, já que esses tratamentos não serão cobertos pelo plano de saúde, então podem ter um preço bem salgado, pelo menos a princípio.

Estudos com MDMA e psilocibina

Austrália aprova MDMA e psilocibina para tratamento de transtornos (Imagem: LightFieldStudios/Envato)
Austrália aprova MDMA e psilocibina para tratamento de transtornos (Imagem: LightFieldStudios/Envato)

Em março do ano passado, o MDMA mostrou bons resultados no tratamento assistido de estresse pós-traumático. A substância é um empatógeno, ou seja, causa a liberação de ocitocina no cérebro, criando sentimentos de confiança e proximidade, o que tem um pontecial de ajuda muito grande em ambientes terapêuticos.

Pacientes com esse transtorno costumam ter sintomas como amnésia, memórias retrospectivas e pesadelos relacionados a eventos traumáticos, e o estudo com a participação de 90 participantes revelou os potenciais da droga.

Enquanto isso, um estudo de novembro apontou que ao utilizar cápsulas de 25 mg de psilocibina, os pacientes ficam em um estado onírico (de sonho), tornando a terapia com psicólogos mais bem-sucedida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: