Mercado fechará em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    95.417,62
    +48,86 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.922,16
    -471,55 (-1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,86
    -1,53 (-4,09%)
     
  • OURO

    1.869,90
    -9,30 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    13.553,30
    +397,93 (+3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,68
    +24,00 (+9,89%)
     
  • S&P500

    3.302,29
    +31,26 (+0,96%)
     
  • DOW JONES

    26.608,26
    +88,31 (+0,33%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.314,25
    +181,50 (+1,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7312
    -0,0032 (-0,05%)
     

Ausência de líderes globais agrava impasse e frustrações na ONU

David Wainer
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Ao completar 75 anos neste ano, as Nações Unidas continuam com a produção de relatórios cada vez mais sombrios sobre ameaças globais que deveriam ser atenuadas após sua criação.

A biodiversidade tem sido destruída, a mudança climática se acelera, e a guerra e a fome criam mais refugiados do que nunca na história da humanidade, alerta o organismo mundial. E agora a pandemia de Covid-19 fez com que centenas de milhões voltassem à pobreza, enquanto novas paralisações da atividade econômica se aproximam.

Aprofundando a escuridão que envolve a organização mundial, a Assembleia Geral da ONU, que geralmente traz cerca de 10 mil diplomatas todos os anos a Manhattan, está sendo realizada virtualmente nesta semana, o que impede encontros pessoais entre líderes mundiais que às vezes oferecem vislumbres de progresso para crises aparentemente sem solução.

“É um dos períodos mais desafiadores que a ONU já viu, seja pela mudança climática, colapso socioeconômico devido à pandemia ou conflitos globais”, disse Jan Egeland, ex-chefe de assuntos humanitários da ONU que agora dirige o Conselho Norueguês para Refugiados. “Mas presenciamos um choque gigantesco entre os ideais que a ONU defende e o nacionalismo que se espalha como fogo em muitos de seus estados membros.”

Todos os anos, a Assembleia Geral se torna o palco central para que opiniões de líderes possam ser ouvidas no mundo todo. Os discursos variam de críticas veementes contra o colonialismo - Fidel Castro detém o recorde da ONU com um discurso de quatro horas em 1960 - ao uso de adereços que chamam a atenção, como o desenho de uma bomba com um fusível aceso que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, mostrou em 2012 para alertar contra as ambições nucleares do Irã.

Nesta semana, os líderes enviarão vídeos para uma sala vazia. Para o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que organiza uma mesa-redonda virtual com líderes climáticos de governos, empresas e sociedade civil na quinta-feira, será uma oportunidade perdida.

“A diplomacia, para ser eficaz, requer contato pessoal”, disse em conferência de imprensa. “Lamento não ter a oportunidade de reunir líderes de países envolvidos em conflitos como o da Líbia ou do Iêmen ou qualquer outro, ou líderes que tenham uma iniciativa importante em áreas-chave, seja em relação às mudança climática, combate ao racismo, igualdade de gênero, que não possamos aproximá-los.”

Um bônus do formato virtual: funcionários da ONU esperam líderes que geralmente enviam subordinados à Assembleia Geral, incluindo os presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, para participar com comentários por vídeo.

Cooperação, nacionalismo

Os discursos provavelmente destacam um contraste cada vez mais profundo de opiniões. Líderes como o presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, devem pedir ação conjunta para resolver problemas globais urgentes.

“A semana de alto nível da Assembleia Geral da ONU será uma oportunidade para refletir sobre a atual crise da Covid-19 e reafirmar o papel crucial das Nações Unidas e da cooperação multilateral, que são extremamente necessárias nestes tempos”, disse o embaixador da França, Nicolas de Riviere, a repórteres.

Mas os dois primeiros palestrantes agendados para terça-feira, os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, provavelmente usarão a plataforma para destacar suas abordagens nacionalistas. Para Trump, a oportunidade surge exatamente seis semanas antes das eleições nos Estados Unidos, onde perde nas pesquisas para o democrata Joe Biden.

“Líderes sábios sempre colocam o bem de seu próprio povo e seu próprio país em primeiro lugar”, disse Trump à Assembleia Geral no ano passado. “O futuro não pertence aos globalistas. O futuro pertence aos patriotas.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.