Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,82
    +1,70 (+2,07%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    43.078,65
    -258,63 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Ausência de deputados trava CPI sobre benefícios fiscais em São Paulo

·1 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.09.2017 - O deputado estadual Paulo Fiorilo (PT), presidente da CPI sobre benefícios fiscais em SP. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.09.2017 - O deputado estadual Paulo Fiorilo (PT), presidente da CPI sobre benefícios fiscais em SP. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A maioria governista na Assembleia Legislativa de São Paulo conseguiu esvaziar a Comissão Parlamentar de Inquérito criada para investigar a concessão de benefícios fiscais pelo estado a empresas privadas.

Dos nove membros da CPI, apenas quatro compareceram às duas primeiras reuniões convocadas após a instalação da comissão, em novembro. São necessários pelo menos cinco presentes para ela funcionar.

Com o recesso de fim de ano, as atividades na Assembleia só serão retomadas em fevereiro, quando faltará pouco tempo para o encerramento da CPI. O prazo autorizado para a comissão acaba em março.

O deputado estadual Paulo Fiorilo (PT), presidente da CPI, pretende realizar reuniões de trabalho públicas para debater o assunto no ano que vem, se for impossível obter quórum para tomada de depoimentos.

O plano do PT era iniciar as investigações questionando dois secretários do governo João Doria (PSDB), o da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles, e a do Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos