Mercado abrirá em 7 h 19 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,15
    -0,59 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.641,70
    -13,90 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    18.786,59
    -190,68 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,67
    -13,87 (-3,12%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.870,02
    -63,25 (-0,35%)
     
  • NIKKEI

    26.471,52
    -682,31 (-2,51%)
     
  • NASDAQ

    11.270,00
    -106,75 (-0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0819
    -0,0157 (-0,31%)
     

Aurora boreal espetacular é filmada por astronautas na ISS

A NASA publicou um vídeo de timelapse de uma aurora boreal filmada da Estação Espacial Internacional (ISS) enquanto orbitava nosso planeta, a cerca de 435 km de altitude. O fenômeno ocorreu no último fim de semana devido a uma tempestade geomagnética moderada (G2) que atingiu a Terra.

O vídeo foi gravado enquanto a ISS viajava acima do Oceano Índico em direção ao Mar de Coral, na costa nordeste da Austrália. Para completar o espetáculo cósmico, a filmagem ainda mostra a Lua nascendo ao fundo, por trás do braço robótico Canadarm2 da estação orbital.

Visões como esta são possíveis porque as auroras costumam ocorrer em altitudes próximas à da ISS. O fenômeno é o resultado da interação entre as partículas solares e a atmosfera superior da Terra. À medida que o Sol se aproxima de seu período de atividade máxima dentro do ciclo de 11 anos, veremos mais eventos como este.

De acordo com o sistema de medição para classificar tempestades geomagnéticas, criado pela Administração Oceânica Nacional (NOAA) do EUA, uma tempestade G2 é considerada de força "moderada", embora possa provocar interferências nos sistemas dos satélites. Não houve relatos de problemas graves.

O fluxo de vento solar saiu de um grande buraco na atmosfera do Sol e foi previsto com sucesso pelos meteorologistas da NOAA. Entretanto, a tempestade geomagnética durou quase 24 horas, mais do que se esperava. O vento solar viajava muito rápido, chegando a 700 km/s, enquanto uma série de "rachaduras" se abriram no campo magnético da Terra, permitindo que as partículas solares penetrasse na atmosfera.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: