Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,32 (-0,49%)
     
  • OURO

    1.787,20
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.809,41
    +2.596,78 (+4,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,26
    +51,96 (+3,70%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.492,25
    +1,25 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4273
    -0,1120 (-1,71%)
     

Aumento vendas de cerveja da Heineken na África e na Ásia compensa queda na Europa

Philip Blenkinsop
·2 minuto de leitura
.

Por Philip Blenkinsop

BRUXELAS (Reuters) - A Heineken, segunda maior cervejaria do mundo, teve um desempenho melhor do que o esperado no início de 2021, já que o aumento nas vendas de cerveja na África e na Ásia compensou uma queda acentuada na Europa.

O fabricante das cervejas Heineken, Tiger e Sol manteve sua perspectiva de que o impacto da pandemia Covid-19 foi significativo e os mercados devem melhorar gradualmente no segundo semestre, dependendo do avanço da vacinação.

A cervejaria holandesa vendeu 50,3 milhões de hectolitros de cerveja no primeiro trimestre, estável ante mesma etapa do ano passado. A previsão média em uma pesquisa compilada pela empresa era de um declínio de 5%.

As vendas na África, Oriente Médio e Europa Oriental subiram 9,9%, com desempenho forte na Nigéria e na África do Sul.

As vendas asiáticas foram 5,4% maiores, principalmente no Sudeste Asiático e incluindo o Vietnã. As vendas na região tinham crescido no primeiro trimestre de 2020, embora tenham entrado em colapso em março com a disseminação do coronavírus.

Na Europa, as vendas de cerveja caíram 9,7%, já que os lockdowns reduziram o consumo de bebidas em cafés e restaurantes em dois terços.

O crescimento nas vendas das lojas não compensou o déficit. Os fabricantes de cerveja também sofreram com o custo mais alto de embalagem em latas descartáveis, em vez de garrafas ou barris retornáveis mais baratos.

O lucro líquido no primeiro trimestre foi de 168 milhões de euros, quase 80% maior do que no ano anterior, mas mais de 40% menor do que o de 2019, com a fraqueza europeia compensada por outras regiões e o controle de custos ajudando.

A cervejaria lançou um plano de três anos para restaurar as margens de lucro aos níveis anteriores à pandemia, em parte por meio do corte de 8 mil empregos.

(Reportagem de Philip Blenkinsop)