Mercado fechará em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    118.721,10
    -925,30 (-0,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.175,65
    +49,94 (+0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,08
    -0,23 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.865,70
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    31.626,07
    -1.876,02 (-5,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    630,06
    -49,84 (-7,33%)
     
  • S&P500

    3.860,12
    +8,27 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    31.241,92
    +53,54 (+0,17%)
     
  • FTSE

    6.722,32
    -18,07 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.360,00
    +65,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5328
    +0,1248 (+1,95%)
     

Aumento recorde de dívida governamental atingirá mercados emergentes com mais força, diz Fitch

·2 minuto de leitura
Escritório da Fitch Ratings em Londres

LONDRES (Reuters) - Um crescimento recorde na dívida de governos em todo o mundo atingirá os mercados emergentes de forma desproporcional, com as nações em desenvolvimento não se beneficiando de taxas de juros mais baixas e o custo do serviço da dívida sendo motivo de preocupação, disse a agência de classificação de risco Fitch Ratings nesta quarta-feira.

A dívida soberana global disparou 10 trilhões de dólares, para 77,8 trilhões, ou 94% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, conforme governos aumentaram gastos com saúde e protegeram suas economias afetadas pelas consequências da pandemia de coronavírus, calculou a Fitch.

Tanto o salto quanto os níveis de dívida estão em máximas recordes, escreveu o chefe de ratings soberanos da Fitch, James McCormack, em relatório, acrescentando que o último acréscimo de 10 trilhões de dólares levou sete anos para ser acumulado.

E, embora a proporção da dívida dos governos em relação ao PIB --medida frequentemente usada como indicador aproximado para a sustentabilidade das contas públicas-- tenha ficado em cerca de 60% do PIB para os mercados em desenvolvimento e desenvolvidos, isso mascarou uma divergência nas taxas de juros para os dois grupos, disse McCormack.

"Para a dívida soberana de mercados emergentes, não houve 'almoço grátis' associado a juros mais baixos", escreveu ele.

A taxa média de juros sobre o estoque total da dívida de governo caiu de 4% para 2% na última década nos mercados desenvolvidos, concluiu o relatório. Nos mercados emergentes, a taxa aumentou de 4,3% para 5,1%.

A Fitch prevê que os pagamentos de juros pelos governos em mercados desenvolvidos e emergentes convergirão até 2022 em cerca de 860 bilhões de dólares, embora a dívida do primeiro grupo seja três vezes maior que o segundo.

"O resultado é que, embora os governos de mercados desenvolvidos e emergentes agora tenham proporções semelhantes de dívida/PIB, eles têm custos de serviço de dívida muito diferentes", disse McCormack.

"Com o rápido aumento da dívida governamental de mercados emergentes, isso deve ser motivo de preocupação e tem sido um fator que contribuiu para o excesso de endividamento em vários mercados emergentes em 2020."