Mercado abrirá em 1 h 23 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,58
    +0,32 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.813,20
    -9,00 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    38.490,78
    -1.112,66 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,30
    -25,59 (-2,66%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.105,04
    +23,32 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.967,00
    +14,25 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1521
    +0,0080 (+0,13%)
     

Aumento nos valores de criptomoedas incentivam mineração ilegal, afirma estudo

·2 minuto de leitura

Oferecendo privacidade e segurança, criptomoedas têm conquistado fama tanto entre investidores legítimos quanto entre grupos que realizam crimes cibernéticos. Enquanto muitos as usam para exigir resgates (nos casos de ataques de ransomware) e para pagar fornecedores, há organizações que se especializaram em produzir mineradores ilegais — que se tornam mais ativos conforme o valor das moedas digitais aumenta.

Uma pesquisa realizada pela Cisco Talos Intelligence mostra que há uma relação direta entre a distribuição de malwares de mineração (que realizam uma prática conhecida como cryptojacking) e a valorização de criptomoedas. A conclusão foi feita a partir do cruzamento do comportamento de criminosos e dos valores pagos pela moeda Monero entre novembro de 2018 e junho de 2021.

A escolha pelo Monero se deve à sua grande adoção pelos cibercriminosos: além de ser focada em privacidade, ela não exige o uso de dispositivos especializados para realizar sua obtenção o — o que significa que golpes baseados nela podem se espalhar entre mais pessoas. Tradicionalmente, moedas virtuais como o Bitcoin e o Ethereum exigem o uso de placas de vídeo especializadas na realização de cálculos matemáticos pesados que recompensam seus autores com novas moedas (processo que chamamos de mineração).

Imagem: Divulgação/Cisco Talos Intelligence
Imagem: Divulgação/Cisco Talos Intelligence

Além de se surpreenderem com o quanto a prática do cryptojacking cresceu desde 2018, os pesquisadores da Talos também se admiraram com as semelhanças entre a intensificação dos golpes e a valorização do Monero. “O gráfico acompanha quase de forma idêntica o valor da moeda”, afirma a empresa.

Os pesquisadores afirmam que a correlação encontrada é admirável, especialmente diante da cresça de que criminosos precisam de um tempo considerável para estabelecer atividades de mineração. Segundo a empresa, enquanto isso permanece verdade para alguns atores maliciosos, as descobertas mostram que há “muitos a mais perseguindo o dinheiro”.

“A maioria desses atores é motivada por uma coisa e apenas uma coisa: dinheiro. E eles o seguirão aonde quer que vá”, afirma a Talos. Embora malwares de criptomineração pareçam ameaças menores, corporações devem tomar medidas de segurança para evitá-los. Eles podem ajudar a diminuir a produtividade de equipes e provocar falhas de hardware e também podem ser vetores que abrem portas para outras ações mais graves, incluindo ataques de ransomware.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos