Mercado abrirá em 4 h 37 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,64
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.889,20
    +12,60 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    22.813,83
    -579,44 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,14
    -12,72 (-2,37%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.217,98
    -442,49 (-2,04%)
     
  • NIKKEI

    27.693,65
    +184,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.555,75
    -68,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5360
    -0,0025 (-0,05%)
     

Aumento do número de pequenos lagos na Terra é má notícia para o clima

A ciência tem notado um aumento no número de lagos no planeta Terra ao longo dos últimos 40 anos. E, embora não pareça, isso é preocupante, já que o desenvolvimento resulta em um aumento dos gases do efeito estufa, emitidos pelos reservatórios de água do mundo.

Entre 1984 e 2019, a superfície terrestre referente a lagos cresceu, mundialmente, em mais de 46.000 km², um pouco maior do que a área da Dinamarca, para fins de comparação. Esses corpos d'água produzem, constantemente, dióxido de carbono, óxido nitroso, metano e muitos outros gases, subprodutos da alimentação de fungos e bactérias do fundo, que comem plantas e animais mortos do local.

Os lagos vêm aumenta cada vez mais e mais rápido, segundo a ciência: notícia é ruim para o aquecimento global (Imagem: NASA/Wikimedia Commons)
Os lagos vêm aumentando cada vez mais e mais rápido, e a notícia é ruim para o aquecimento global (Imagem: NASA/Wikimedia Commons)

Consequências do aumento dos lagos

Em termos de emissão carbônica, o aumento anual proporcional ao acréscimo nos lagos representa 4,8 teragramas (trilhões de gramas), ou quase 5 milhões de toneladas de CO₂, equivalente a todas as emissões pelo Reino Unido em 2012, por exemplo. As mudanças, segundo os cientistas, estão maiores e mais rápidas do que o normal.

Além dos gases do efeito estufa, o ecossistema e o acesso a recursos hídricos também vêm sofrendo com essas modificações. Novos conhecimentos sobre a extensão e a dinâmica dos lagos no mundo nos tem permitido calcular melhor seu potencial de emitir gás carbônico.

Para a pesquisa que agrupa esses dados, foram utilizadas tecnologias de imageamento por satélite e algoritmos de aprendizado profundo, cobrindo 3,4 milhões de lagos por todo o mundo. Lagos pequenos (menores do que 1 km²), inclusive, são especialmente importantes para o cálculo de gases do efeito estufa, já que geram um volume de emissões alto em relação ao seu tamanho.

A maioria dos lagos é formado, artificialmente, por humanos, mas o restante vem de geleiras e do permafrost (Imagem: Planetary Science Institute/Jeffrey S. Kargel)
A maioria dos lagos é formado, artificialmente, por humanos, mas o restante vem de geleiras e do permafrost (Imagem: Planetary Science Institute/Jeffrey S. Kargel)

Influência dos lagos pequenos

Os lagos menores acabam representando apenas 15% da cobertura global desses corpos d'água, mas são responsáveis por cerca de 45% do aumento em emissões de gás carbônico e 59% do aumento nas emissões do gás metano no período estudado pelos cientistas.

Segundo os especialistas, a emissão é desproporcional porque, normalmente, lagos pequenos acabam acumulando mais matéria orgânica, que acaba sendo convertida em gases. Eles também costumam ser mais rasos, o que facilita a subida das substâncias até a superfície e então para a atmosfera.

Além disso, os corpos aquáticos menores são mais sensíveis às mudanças no clima e no tempo, bem como às intervenções humanas. Seu tamanho e química da água, portanto, acabam tendo grandes variações, o que pede identificação e mapeamento mais urgentes, já que também são mais custosos.

Mais do que a metade do aumento na cobertura dos lagos ocorreu devido à interferência humana, principalmente pela construção de reservatórios; o restante acaba caindo na conta do derretimento das geleiras e do permafrost, decorrentes do aquecimento global.

Espera-se que os dados sejam úteis para modelos climáticos futuros, já que uma quantia considerável de gases do efeito estufa em potencial pode vir das superfícies de lagos, dado que o derretimento do gelo pelo mundo segue aumentando. Com os dados, também será possível estimar melhor os recursos aquáticos de água doce e avaliar o risco de alagamentos, bem como melhor gerenciamento dos locais, já que isso também impacta na biodiversidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: