Mercado fechado

Aumento de imposto para cerveja não, diz Bolsonaro em resposta a Guedes

Foto: PRAKASH SINGH/AFP via Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro descartou nesta sexta-feira (24) aumentar imposto sobre a cerveja, rejeitando uma possibilidade levantada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para criação de um chamado "imposto do pecado" sobre cigarros, bebidas alcoólicas e produtos com adição de açúcar.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

INSTALE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

"Paulo Guedes, desculpa, você é meu ministro, te sigo 99%, mas aumento de imposto para cerveja, não", disse Bolsonaro em entrevista a jornalistas após desembarcar em Nova Déli, na Índia, para viagem oficial, segundo o portal de notícia G1.

Leia também

"Não tem como aumentar, não consegue mais aumentar a carga tributária no Brasil. Todo mundo consome algo de açúcar todo dia, não dá para aumentar", acrescentou.

Em Davos, onde participa do Fórum Econômico Mundial, Guedes disse que pediu para a sua equipe estudos para a criação de um "imposto do pecado" sobre bens que fazem mal para a saúde.

“Eu pedi para simular tudo. Bens que fazem mal para a saúde. Caso [as pessoas] queiram fumar, têm hospital lá na frente”, disse o ministro, em conversa com jornalistas após seu último dia de compromissos no Fórum Econômico Mundial.

Guedes defendeu a inclusão de produtos como refrigerantes, sorvetes e chocolates na nova taxação. Ele usou o termo “imposto do pecado” para defendê-la, mas disse que a expressão é acadêmica (do inglês “sin tax”) e não tem juízo moral. “Não é nada de costumes, Deus me livre.”

Com Reuters